Enquanto os guineenses não forem capazes de “pensar pelas próprias cabeças”, como sugeria Amilcar Cabral, a manipulação de consciência e a dinâmica demagógica, dos poderes do Poder, influenciarão negativamente a dinâmica social da nossa Sociedade, através de obstáculos em forma de ferramentas estrategicamente projectadas, concebidas e produzidas no intuito de se continuar a dividir o nosso povo e, consequentemente, contribuir para a estagnação ou o retrocesso do nosso país.

Creio que é chegado o momento de questionarmos, que Modelo de Educação precisamos de projectar, trabalhar/desenvolver e implementar no nosso país, em função da nossa realidade concreta.

Continuo a dizer que precisamos de privilegiar a Educação para a Cidadania se, de facto, queremos (ou quisermos) ajudar a mudar positivamente a forma de pensar e de agir dos nossos concidadãos, sem demagogia, sem manipulação, mas criando condições nos múltiplos formatos pedagógicos, de sensibilização, interacção e participação cidadã, capazes de formar e informar o Cidadão, recurso primeiro para a projecção de todo e qualquer programa de desenvolvimento.

A FORMAÇÃO CÍVICA promove a Educação para a Cidadania, que, por sua vez, capacita cidadãos para os seus Direitos e Deveres, com base num COMPROMISSO para com o País!

Felizmente, temos muitos quadros com formação Superior em diversas áreas, mas infelizmente, são poucos os cidadãos que têm, de facto, FORMAÇÃO CÍVICA!
Didinho 22.07.2015

Deixe uma resposta