Eng.º Augusto Ulique

SOLIDARIEDADE PARA COM FERNANDO CASIMIRO – DIDINHO

Boa noite meu caro mano Didinho!

Acabo de ouvir o áudio do sr. Victor Abilio Fonseca Nhaga endereçado à tua pessoa. Só tenho de manifestar-te  a minha solidariedade no combate que há anos estás a enfrentar para o bem e a liberdade total da nossa querida pátria, Guiné-Bissau.

Não leves em consideração a má educação deste senhor que nem quero estar a repetir o seu nome.

O PAIGC e o grupo de alguns dos seus militantes estão nesta altura completamente desnorteados.

O que lhes resta é a baixeza e a má educação.

Didinho, tu fazes parte dos nossos melhores e mais antigos combatentes na idade moderna para libertação da Guiné da tirania de um sistema retrógrado que só serve para pessoas preguiçosas e de mente atrasada.

Por isso, meu mano, não sintas ameaçado por ninguém nem com insultos iguais aos do sr. Victor que nada tem para oferecer a Guiné-Bissau!

Mano, o teu contributo por via de valiosas opiniões assim como informações esclarecedoras, estão a surtir efeito nos guineenses atentos, que almejam a mudança e desenvolvimento na nossa pátria amada.

Vamos dar o último golpe aos preguiçosos mentais que nada querem da nossa querida Guiné-Bissau a não ser intrigas, ameaças e violência contra os progressistas e nacionalistas como tu Didinho, grande patriota, exemplar de todos os tempos!

Agora a minha chamada de atenção ao sr. Victor Abilio Fonseca Nhaga.

As suas ameaças de morte ao cidadão Fernando Casimiro vulgo Didinho, estão bem registadas por nós, amigos e colegas do Didinho.

Se algo acontecer em direcção de tudo que o sr. acaba de recomendar no seu áudio, o sr. Victor será responsabilizado pelos seus actos.

Também lhe faço saber que para além do Didinho ter uma família capaz de levá-lo à justiça, garanto-lhe que o seu áudio será entregue à Polícia Judiciária portuguesa para eventuais investigações.

Garanto-lhe ainda que, mesmo na Guiné-Bissau, onde o senhor se sente mais “dono” ou melhor mais guineense do que os outros, tenho a certeza absoluta de que o vosso regime de impunidade já tem os dias contados.

Para terminar gostaria de alertar aos amigos do sr. Victor Nhaga no Facebook, dotados de uma boa educação de abastecerem-se deste senhor que em nosso bom kriol denominamos de MALTOMADO!

Porque nunca na nossa educação de outrora se permitiu insultos a pais de de uma pessoa a quem não conhecemos.

Evitemos os insultos só porque a opinião contrária não nos favorece. Quem fala da cor de pele é uma pessoa cheia de complexos! A Guiné-Bissau não tem cor de pele, nem grupo étnico.

Força Guiné-Bissau e que Deus abençoe o seu povo!

Eng.º Augusto Ulique

Flensburg/Alemanha –  15.03.2020

AMEAÇAS DE MORTE

AMEAÇAS DE MORTE

Victor Abilio Fonseca Nhaga faz ameaças de morte acompanhadas de insultos a mim, Fernando Casimiro Didinho, apenas e só, por querer negar aos outros, o mesmo direito que ele tem, quiçá, de responsavelmente, expressar a sua opinião sobre o nosso País, a Guiné-Bissau.

Victor Abilio Fonseca Nhaga, que não é meu amigo no Facebook, mas que é amigo de 93 amigos meus amigos no Facebook (espero que tirem ilações sobre a amizade que têm com ele), enviou-me hoje 2 áudios com ameaças de morte e insultos, à minha pessoa, que partilho publicamente neste post, para que cada um veja como é que os defensores do sr. derrotado, embusteiro-mor, hipócrita e promotor de mentiras, lidam com o pluralismo democrático, e o Estado de Direito, negando a liberdade de expressão aos demais, e, ameaçando-os de morte.

Ao sr. Victor Abilio Fonseca Nhaga apenas digo que ouvi o recado enviado e estarei à espera do dia da minha morte a partir de hoje, uma morte “encomendada” pelo promotor da divisão e do ódio na sociedade guineense.

Na verdade, não é a primeira, nem segunda ou terceira vez, que venho sendo ameaçado de morte, desde quando criei o Projecto Guiné-Bissau CONTRIBUTO a 10 de Maio de 2003.

Não sou imortal, como nenhum de nós o é, por isso, provavelmente um dia alguém conseguirá desferir-me um ataque letal.

O que aproveito para dizer ao sr. Victor Abilio Fonseca Nhaga e outros tantos como ele, é que NENHUMA AMEAÇA DE MORTE, me demoverá de continuar a trabalhar pela Guiné-Bissau, goste-se ou não, do que escrevo, pois não escrevo sobre a vida pessoal/privada de ninguém, mas sim, sobre assuntos do Estado, da Governação, da Sociedade, da Guiné-Bissau!

Se os políticos e governantes da Guiné-Bissau acharem que me devem processar, judicialmente, há muito que lhes fiz essa sugestão, por estar certo das minhas responsabilidades tendo em conta os meus direitos e os meus direitos, enquanto cidadão!

Como tenho dito, infelizmente, temos uma Sociedade Doente, por via da intoxicação político-partidária e dos agentes com o poder de influência na manipulação/instrumentalização social.

Positiva e Construtivamente, Vamos Continuar a Trabalhar, pela Nossa Guiné-Bissau!

Didinho 15.03.2020

Clique no link que se segue para ouvir as ameaças, ainda que feitas em kriol, a língua nacional da Guiné-Bissau.

Victor Abilio Fonseca Nhaga faz ameaças de morte a Fernando Casimiro

Página pessoal de Victor Abilio Fonseca Nhaga no Facebook

——————————————

ENTRE A VIDA E A MORTE – UMA RECAPITULAÇÃO

Entre a vida e a morte, resistimos até ao limite, tendo em conta o “pacto” entre o nascer e o morrer, estabelecido como destino de cada um.

Temos o dia de nascer e o dia de morrer.

Temos um local e uma hora para nascer e, também, para morrer, sendo que, em ambas as situações, ninguém escolhe ou decide onde nasce e onde morre.

Em vida, amemo-nos uns aos outros!

Didinho 06.09.2017

PUBLICAÇÕES DE 09 A 14 DE MARÇO DE 2020

HIPOCRISIA

O Sr. Domingos Simões Pereira é simplesmente, um hipócrita!

Temos vindo a ouvir o dito “deus” guineense, a fazer acusações infundadas a Chefes de Estado da nossa sub-região, e das Comunidades de Países das quais somos Estado-membro, de forma arrogante e desprezível, ignorando que a nossa pertença identitária por via da nossa geo-localização, está secularmente enraizada na nossa sub-região africana, a África Ocidental, e, sobretudo, num circulo composto pelos países que nos são mais próximos a nível de fronteiras, criadas pela colonização, ou seja, os nossos vizinhos, quer gostemos ou desgostemos deles.

O Sr. Domingos Simões Pereira ignora a nossa História, quiçá, a nossa Geografia e a Base Antropológica, Social e Cultural, da nossa Multiplicidade Étnica, enquanto Povo Guineense, da Guiné-Bissau.

A História da Guiné-Bissau não se iniciou com Amilcar Cabral, tal como a História de Angola não começou com Agostinho Neto, independentemente dos laços derivantes das suas ligações, com suas consequentes histórias, que não vinculam necessariamente os Povos de ambos os Países.

Pedir desculpa ao Povo e ao Presidente de Angola, por alegada “agressão e desrespeito” do Presidente Eleito da República da Guiné-Bissau ao ter respondido a uma ingerência negativa do Presidente de Angola sobre o contexto pós-eleitoral da Guiné-Bissau, ignorando as agressões e o desrespeito, que ele, Domingos Simões Pereira teve permanentemente para com o anterior Presidente da República da Guiné-Bissau, Dr. José Mário Vaz;

Que tem tido para com o próprio Povo da Guiné-Bissau;

Para com o Chefes de Estado de Países irmãos, nossos vizinhos, muitas vezes, nossa Porta de Entrada e de Saída…

É de facto, de uma hipocrisia tremenda!

Ao Sr. Domingos Simões Pereira importa dizer que, independentemente das nossas quezílias com os nossos vizinhos, a Guiné-Bissau deve prontificar-se a promover e a partilhar a Boa Vizinhança, Política e Social, com os Países da nossa Sub-Região, face a tudo o que nos é comum, numa perspectiva antropológica, entre a identidade e a pertença.

Não queremos dizer com isso, que outros Países e Povos devem desmerecer o nosso Respeito e a Boa Convivência Política e Social, irmanados que também estamos, por via da nossa pertença nas Comunidades Políticas, Culturais e outras, das quais somos Estado-membro.

Sr. Domingos Simões Pereira, pare, olhe, escute. Não queira ser um Kamikaze!

Positiva e construtivamente.

Didinho 14.03.2020


ÓDIO

Afinal, é ou não verdade, que a promoção do ódio à etnia fula e à religião muçulmana, durante a campanha eleitoral, e após as eleições legislativas e presidenciais, tinha e continua a ter o Sr. Domingos Simões Pereira como promotor/instigador?

Porquê tanta raiva dos nossos irmãos Fulas?

Porquê tanto ódio aos nossos irmãos Muçulmanos, Sr. Domingos Simões Pereira?

É assim que quer ser Presidente da República da Guiné-Bissau?

Como tenho dito, a mentira é apenas uma verdade adiada…!

Didinho 12.03.2020

Clique no link para ouvir: Domingos Simões Pereira em entrevista à Rádio Vaticano


MENTIRA E ALARMISMO

E continua a senda da Mentira e do Alarmismo…

Pelos vistos, se o Sr. Domingos Simões Pereira não for “colocado” como Presidente da República da Guiné-Bissau, como sendo uma reposição da ordem constitucional, as consequências podem ser perigosas para toda a região e para o mundo, como ele próprio afirmou!

Quanta ignorância, inocência, ingenuidade, numa visão de alguém que é apenas o dono de todas as mentiras sobre o processo da segunda volta da eleição presidencial de 29 de Dezembro de 2019 na Guiné-Bissau.

Alguém que quer mostrar ser o único conhecedor da Constituição e das Leis da Guiné-Bissau, ao ponto de se situar acima da Comissão Nacional de Eleições…

Alguém que tenta humilhar Países vizinhos, e Estados-membros da CEDEAO, que não estão a fim das suas mentiras…

Alguém que fala em violência extrema na Guiné-Bissau… Que violência?

Alguém que acusa directamente e publicamente a etnia fula, de uma série de coisas… Enfim!

Sr. Domingos Simões Pereira, cale-se, em nome da Verdade e do Respeito pela Dignidade de Todos os Guineenses, mas também, de todos os nossos irmãos dos Estados vizinhos que tem tentado humilhar!

Cale-se, a bem da Verdade, da Paz, da Unidade Nacional e do Interesse Nacional, porquanto, suas mentiras são “letais”…!

Didinho 12.03.2020 Clique no link para ler: GUINÉ-BISSAU – AGIR ANTES QUE SEJA TARDE


AO SECRETÁRIO-GERAL DA ONU

A Lei-Eleitoral da Guiné-Bissau não conta, no que diz respeito ao contencioso eleitoral?

O posicionamento das Missões de Observadores Eleitorais Internacionais, não conta?

Os quatro Apuramentos Nacionais, pela Comissão Nacional de Eleições da Guiné-Bissau, quando, um bastava para a sua legitimidade, não contam?

Os reconhecimentos e felicitações, do próprio candidato derrotado, e de Chefes de Estado, de diversos países, com conhecimento de causa, não contam?

Sr. António Guterres, veja a Guiné-Bissau com olhos de ver…

Didinho 11.03.2020

Clique para ler: Guterres encoraja CEDEAO a mais empenho na resolução da crise na Guiné-Bissau


A Consequência é sempre fruto de uma Causa…

A tomada de posse do Presidente da República Eleito da Guiné-Bissau, no passado dia 27 de Fevereiro, da forma como foi realizada, é uma consequência, que advém de uma causa.

Infelizmente, continuamos a focar nas consequências, ao invés das causas.

Não há consequências, sem primeiro, haver causas.

No caso concreto do que estamos a assistir na Guiné-Bissau, pós-segunda volta da eleição presidencial de 29.12.2019, a causa de tudo reside no facto de haver um vencedor declarado pela Comissão Nacional de Eleições, a única entidade competente/legitimada para apurar e publicar os resultados oficiais, provisórios e definitivos das eleições, quer sejam legislativas, quer presidenciais e, consequentemente, um derrotado (entre os 2 candidatos em presença), que se tem recusado a aceitar os resultados anunciados/publicados, pela Comissão Nacional de Eleições, já lá vão 4 Apuramentos Nacionais…

Quem aguenta tamanha brincadeira, quando o País e o Povo estão de rastos, com tantos bloqueios ao longo dos últimos cinco anos?

Falam de golpe de Estado, ignorando que NINGUÉM, entre todos nós Guineenses, está acima da Constituição, das Leis e do próprio Estado?

Ignoram que não podemos ser todos subservientes em defesa dos nossos interesses pessoais, para satisfação dos caprichos de um ou outro Partido Político?

Que seria da nossa Guiné-Bissau sem as nossas Gloriosas Forças de Defesa e Segurança, que continuam a diabolizar, sempre que seus interesses são confrontados com a Constitucionalidade, Legalidade, de um Estado de Direito que nunca permitiram aos Guineenses vivenciar…?

Querem que os “capacetes azuis” da ONU sejam enviados à Guiné-Bissau, um Estado Independente, sem guerra, em pleno século XXI?

Quem, para patrocinar às Nações Unidas tal desperdício…?

Quem, para ousar intrometer, afrontar um Estado Soberano, por via de solicitações de quem, causou o CAOS ao longo de 46 anos de Independência da Guiné-Bissau?

É tempo de, os Parceiros Sociais e Económicos da Guiné-Bissau promoverem igualmente, fóruns de debate/discussão, incluindo guineenses de todas as sensibilidades, por forma a se encontrar um meio-termo na projecção de uma nova visão, sustentada, sobre um Novo Amanhã Guineense!

Positiva e construtivamente.

Didinho 09.03.2020


DIGNIDADE!

“(…) Todavia, a minha demissão do Governo, que representei com orgulho, deve-se a motivos pessoais e políticos que considero fundamentais para a salvaguarda da minha dignidade, da qual tenho direito e não abdico.” Dra. Suzi Carla Barbosa

———————————–

Ainda que tenhamos discordado de alguns posicionamentos da Dra. Suzi Carla Barbosa, quer como Secretária de Estado das Comunidades, quer como Ministra dos Negócios Estrangeiros, da Guiné-Bissau, numa perspectiva política/partidarizada, prejudicial à vertente representativa do Estado na sua concepção e sustentação: teórica e prática, não podemos ignorar a vertente pessoal, assente em posicionamentos pessoais e não partidários, da Dra. Suzi Carla Barbosa, reivindicando a sua dignidade, como direito que não abdica, quando apresentou o seu pedido de demissão do cargo de Ministra dos Negócios Estrangeiros da Guiné-Bissau, no dia 24.01.2020.

Conhecedora do PAIGC e dos meandros da governação dos sucessivos governos do PAIGC, que começa a denunciar, em prol da Verdade e do Interesse Nacional, merece ser protegida, contra todas as iniciativas que visam, sobretudo, pôr em risco a sua vida!

Por outro lado, é urgente que Pessoas Dignas no PAIGC, a exemplo da Dra. Suzi Carla Barbosa, façam igualmente a sua parte, contra a Mentira, quiçá, a favor da Verdade, e, em prol da salvaguarda da Democracia e do Estado de Direito na Guiné-Bissau.

É preciso libertar o PAIGC, para que a Guiné-Bissau, se liberte, definitivamente…!

Positiva e construtivamente.

Didinho 09.03.2020


 

EMBAIXADOR HÉLDER VAZ À SIC NOTÍCIAS

Acabei de ver (e ouvir, obviamente), uma excelente sessão de esclarecimento, na SIC Notícias, por parte do Embaixador da Guiné-Bissau em Portugal, Dr. Hélder Vaz, sobre a actual situação política, jurídica e social, na Guiné-Bissau.

Creio que, é este o caminho diplomático, sobretudo em Portugal, que deve ser feito, a bem do Renascimento e da Reafirmação da Guiné-Bissau numa abrangência mundial.

Obrigado Sr. Embaixador Dr. Hélder Vaz, distinto Quadro Guineense!

Didinho 06.03.2020

 Link da notícia: Crise política na Guiné-Bissau em análise

A EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA COMO PRIORIDADE PARA A GUINÉ-BISSAU

A Educação para a Cidadania é a Prioridade das prioridades, numa perspectiva conjuntural, na Guiné-Bissau, enquanto alicerce para a projecção, sensibilização e promoção da Educação para o Conhecimento e o Desenvolvimento.

Há uma Base Educacional que foi sempre ignorada na Guiné-Bissau, que designamos de, Educação para a Cidadania.

Ainda que o País tenha conseguido formar milhares de Quadros nas diversas áreas de Conhecimento e com os diversos graus de formação, a Guiné-Bissau continua a ter uma taxa elevadíssima de analfabetos em matéria de Cidadania, quiçá, com conhecimento dos seus Direitos e dos seus Deveres, por via dos Direitos Fundamentais, elencados na Constituição da República.

O nosso problema, não se resume, nem se resolve, apenas, com a obtenção de um diploma, a nível académico, por cada um dos nossos concidadãos, mas sim, na assimilação/ interiorização de domínios, dos Direitos Fundamentais, integrados no conceito de Cidadania, com foco, para o dever do Compromisso para com o País, por cada um, de nós, Guineenses!

Ter o País acima de tudo e de todos, o mesmo que dizer, ter o Estado de Direito, acima de tudo e de todos.

Quando o nosso Povo, quiçá, a Sociedade Guineense, independentemente do estatuto académico e, ou, profissional de cada um, souber distinguir e separar, na justa medida e no âmbito da Cidadania, o País/Estado, dos Partidos Políticos, estaremos a percorrer, então, o Percurso da Cidadania assente na Democracia, no Pluralismo e, nos Direitos Fundamentais!

Positiva e construtivamente.

Didinho 06.03.2020

O CONSELHO DE SEGURANÇA DA ONU E A GUINÉ-BISSAU

O CONSELHO DE SEGURANÇA DA ONU E A GUINÉ-BISSAU

Pelos vistos, para o Conselho de Segurança da ONU, as Forças da ECOMIB sobrepõem-se às Forças Armadas da Guiné-Bissau, nas incumbências constitucionais que lhes estão reservadas…

Não aceitaremos isso, pois que, cada País/Estado, tem, nas suas Forças de Defesa e Segurança, a garantia da Defesa da sua Soberania Territorial, e, consequentemente, Política!

Porque é que as Forças da ECOMIB devem “proteger” as instituições do Estado da Guiné-Bissau, e não as Forças de Defesa e Segurança da Guiné-Bissau, cujos papéis, constitucionais, soberanos, são negados, por exemplo, pelo Conselho de Segurança da ONU?

O Conselho de Segurança da ONU, pelos vistos, também não respeita a Constituição da República da Guiné-Bissau e a Soberania da Guiné-Bissau.

Não aceitaremos isso, jamais, independentemente, de quaisquer ameaças de sanções!

Positiva e construtivamente.

Didinho 05.03.2020

A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas sentadas
ONU na Guiné-Bissau

Comunicado à imprensa do Conselho de Segurança sobre a situação na Guiné-Bissau

5 de março de 2020

Os membros do Conselho de Segurança foram informados pelo Representante Especial do Secretário-Geral e pela Chefe do Escritório Integrado de Construção da Paz das Nações Unidas na Guiné-Bissau (UNIOGBIS), Rosine Sori-Coulibaly, e pelo Representante Permanente do Níger nas Nações Unidas, Abdou Abarry, sobre a evolução da situação política na Guiné-Bissau.

Os membros do Conselho de Segurança expressaram profunda preocupação com a crise pós-eleitoral e institucional.

Os membros do Conselho de Segurança pediram às partes que respeitem as estruturas legais e constitucionais e o processo democrático para resolver a crise pós-eleitoral.

Os membros do Conselho de Segurança pediram às partes que priorizem o diálogo e a solução pacífica da crise e evitem ações e declarações que possam exacerbar ainda mais as tensões.

Os membros do Conselho de Segurança expressaram o seu apoio ao papel de mediação da CEDEAO e saudaram a sua decisão de enviar uma missão de especialistas a Bissau para se reunir com o Supremo Tribunal de Justiça e a Comissão Nacional Eleitoral.

Os membros do Conselho de Segurança também instaram a CEDEAO a enviar urgentemente uma missão política de alto nível à Guiné-Bissau para ajudar a acelerar os esforços para resolver a crise pós-eleitoral.

Os membros do Conselho de Segurança instaram as forças de defesa e segurança da Guiné-Bissau a não interferir com a crise política e pós-eleitoral e incentivaram as forças da ECOMIB a continuar a cumprir com as suas obrigações de acordo com o seu mandato.

Os membros do Conselho de Segurança lembraram a todos os intervenientes ​​que poderá considerar tomar as medidas apropriadas em resposta aos desenvolvimentos da situação na Guiné-Bissau.

https://www.un.org/press/en/2020/sc/14138.doc.htm

CRÓNICA DO DIA

Crónica do dia:

“Produto e Serviço: suas manifestações”

Por: Santos FERNANDES

A palavra produto geralmente tem significado de um objeto físico oferecido para a venda. Todavia, a moderna abordagem de marketing considera o produto como algo mais do que simples objeto tridimensional. O produto deve ser concebido para satisfazer as necessidades do consumidor, através de uma lógica intangível e invisível, que leva o nome de padrão de referência. Tal padrão serve para melhorar a reputação do produtor ou vendedor, o estilo de embalagem, as mensagens de propaganda do produto e outras impressões e opiniões a seu respeito. Assim sendo, um produto é muito mais do que um simples objeto e torna-se, cada vez mais, um conceito rico em conotações para refletir uma imagem que envolve um conjunto total de satisfações.

O produto fabricado ou o serviço prestado constitui o resultado final de todas as operações internas duma dada empresa. A empresa – como uma totalidade – trabalha para produzir um determinado produto ou prestar um determinado serviço ou fabricar um determinado produto. Se entendermos a empresa como um sistema aberto, o produto e/ou serviço constitui a principal saída ou input deste sistema.

O produto ou serviço representa aquilo que a empresa sabe fazer e produzir. Constitui a vocação da própria empresa. Por esta razão, existe uma infinidade de produtos e serviços. Raramente a empresa e os empreendedores oferecem um único produto ou serviço ao mercado, pois isto limita as suas possibilidades de vendas. O que ocorre, com frequência, é a oferta de uma linha de produtos ou de serviços capaz de atender a uma gama enorme de necessidades de mercado e aproveitar as vantagens do esquema de produção e de comercialização.

Sistema Empresa

Entrada Saídas

Input Processo Output

Na realidade, cada produto ou serviço apresenta as suas características próprias, como a marca, a embalagem, o tamanho, a qualidade, o custo, o seu preço, as condições de venda e do financiamento, etc. O empreendedor (seja mulher, seja jovem) deve adaptar-se inteiramente às características do produto/serviço que pretende disponibilizar aos consumidores. Para facilitar essa tarefa de adaptação, existem algumas classificações de produtos/serviços que passaremos doravante a analisar:

1. O produto deve ter uma marca que lhe dê identidade própria. Suas características precisam ser bastante distintas das características dos produtos concorrentes para que possa ser aceite no mercado. O cliente precisa ter uma percepção do produto em sua mente. Identificar o produto entre os demais produtos oferecidos no mercado constitui o desafio principal.

CLASSIFICAÇÕES DE PRODUTOS/SERVIÇOS

Como os produtos e serviços são resultados heterogéneos, por isso costuma-se utilizar algumas classificações para facilitar a sua comparação. A classificação mais simples é aquela que distingue os produtos como bens (ou mercadorias) e serviços.

1. Bens e mercadorias: são os produtos físicos tangíveis e visíveis, como pão, uma lâmpada, um eletrodoméstico, uma mesa, um automóvel, uma máquina, etc. Quanto à sua destinação, os bens podem ser classificados em bens de consumo (quando destinados ao consumidor final) ou bens de produção (quando são destinados à produção de outros bens ou serviços).

2. Bens de consumo: quando os bens são destinados, direta ou indiretamente, ao consumidor ou usuário final, são os chamados bens de consumo. São as roupas, os produtos de higiene, os eletrodomésticos, os alimentos, etc. Os bens de consumo podem ser desdobrados em duráveis, semiduráveis ou perecíveis (não duráveis). Os bens de consumo duráveis são aqueles cujo consumo pode ser feito ao longo do muito tempo, ou cuja utilização possa ser feita regularmente, durante um prazo relativamente longo. Sua permanência em “stock” pode ser prolongada, pois em nada altera as suas características. É o caso dos eletrodomésticos, dos automóveis, dos móveis e utensílios domésticos, etc., que podem ser usados durante anos a fio. Os bens de consumo perecíveis (ou não duráveis) são aqueles cuja duração é restrita no tempo, na medida em que podem deteriorar. Geralmente, têm um prazo definido de vida útil e não podem permanecer guardados durante muito tempo. É o caso dos alimentos, que devem ser consumidos logo após a sua venda (como as frutas, as carnes, os legumes, os peixes, etc.) ou os produtos com vida útil predeterminada (como os lecticínios, os remédios, etc.). Logicamente, os bens de consumo perecíveis devem chegar rapidamente às mãos do consumidor para o seu uso imediato, antes que estraguem ou percam as suas qualidades básicas. Os bens semiduráveis são aqueles consumidos durante um prazo menor, pois o seu uso acarreta desgaste do produto. Seu processo de “stock” pode prolongado no tempo. É o caso, por exemplo, de vestuário e dos calçados.

3. Bens de produção: quando os bens são destinados à produção de outros bens e serviços são chamados de bens de produção ou bens de capital. Recebem também nome de bens industriais É o caso de máquinas operatrizes, prensas, tratores, computadores, empilhadeiras, etc.

Ninguém leva para casa uma prensa hidráulica para consumir. Quem deve comprá-la é uma empresa industrial para, através dela, produzir outros bens e mercadorias. Os bens de produção são utilizados para a produção de outros bens ou serviços, como as máquinas de escrever, de calcular, os camiões, as linhas de montagem, as máquinas e equipamentos industriais etc. Muitas vezes, o mesmo bem pode ser orientado para o consumo ou para a produção. Se uma pessoa compra um automóvel para o seu próprio uso, temos um bem de consumo; mas se o automóvel é utilizado como táxi, temos um bem de prestação de serviços.

Se uma pessoa compra uma máquina de escrever para escrever uma carta pessoal, estamos perante um bem de consumo; mas, se a mesma máquina de escrever for utilizada no escritório de uma empresa, temos um bem de produção, e assim vai.

Quando os bens de produção integram o património da empresa, ou seja, fazem parte do seu ativo fixo são chamados também de bens de capital. Todavia, nem sempre os bens de produção pertencem à empresa. Eles podem ser alugados ou arrendados (leasing), como é o caso dos prédios ou edifícios, dos computadores, de frotas de camiões ou de autocarros, de determinadas máquinas e equipamentos etc. É que, embora trabalhem no interior da empresa, podem não fazer parte do seu património ou do seu capital.

E qual é a importância dessa classificação? Simples. Vender um bem de consumo é diferente de vender um bem de produção. O cliente do primeiro é o consumidor final, enquanto o cliente do segundo é um cliente industrial.

As empresas que produzem bens ou mercadorias são geralmente denominadas de consumo (quando produzem bens de consumo) ou para o mercado industrial (quando produzem bens de produção). Além dos bens ou mercadorias existem os serviços. Os serviços são atividades especializadas que as empresas oferecem ao mercado. São produtos que nem sempre se podem manipular. Podem assumir uma enorme variedade de características e de especializações. É o caso da propaganda, da advocacia, das consultorias, dos hospitais, dos transportes, das financeiras, das escolas e universidades, dos clubes, dos transportes, da segurança, da energia elétrica, das comunicações, da emissora de rádio e da televisão, dos jornais e revistas, etc. Há uma variedade considerável de empresas prestadoras de serviços cuja missão é oferecer atividades especializadas ao mercado.

As empresas que prestam serviços são de uma forma geral, denominadas empresas não industriais. Para abranger a totalidade das empresas – sejam elas de produtos, sejam prestadoras de serviços – muitas vezes, referimo-nos aos produtos/serviços como resultante das operações das empresas.

Outra classificação bastante interessante procura separar os produtos concretos dos produtos abstratos.

1. Produto concreto: é o produto/serviço que pode ser descrito com grande precisão, identificado com grande especificidade, medido e avaliado. É o produto fisicamente palpável e tangível, como o automóvel, utilidades domésticas e a grande massa de produtos ou serviços fisicamente visíveis e identificáveis. É relativamente fácil mostrar e demonstrar um produto/serviço concreto por meio da imagem e do som, pois suas características físicas estão aparentes. O produto/serviço concreto pode ser comparado quanto à sua qualidade, quanto ao seu acabamento, sua cor ou textura, seu tamanho, sua embalagem, etc.

2. Produto abstrato: é o produto/serviço que não permite descrição precisa, nem identificação e especificação adequada. É o produto/serviço que não tem correspondente físico, como por exemplo, o ensino ou a educação, os serviços de rádio, informação e propaganda falada, boa parte da atividade política e a grande massa de serviços oferecidos de forma conceitual ou simbólica. É relativamente difícil mostrar ou demonstrar um produto/serviço abstrato, pois suas características nem sempre podem ser visualizadas ou percebidas com facilidade. O produto/serviço abstrato não pode ser comparado ou apreciado quanto à sua forma, cor, tamanho, características físicas, acabamento, etc.

Cada tipo de produto/serviço atende a um mercado específico e requer um tipo de estrutura e funcionamento. É o produto/serviço que determina como vai funcionar a empresa e qual será o seu ramo de atividade. É tão grande a influência do produto/serviço na vida de uma empresa, ou seja, podemos considerar o produto/serviço como missão da empresa – razão da sua existência.
O produto/serviço deve ser criado e desenvolvido no sentido de atender às expectativas e necessidades do mercado, ao mesmo tempo em que permita proporcionar lucros a empresa. As expectativas e necessidades do mercado estão constantemente se modificando, enquanto a concorrência pode trazer, com frequência, desafios que exigem modificações nas características que compõem os produtos/produtos existentes.

Apenas uma opinião!

Santos Fernandes

O VÍRUS DSP

O Sr. Domingos Simões Pereira, o embusteiro-mor guineense, manipulou, instruiu e instigou, os seus apoiantes, para a descredibilização, diabolização, dos Órgãos de Soberania e das Instituições do Estado, sempre que uma decisão política ou jurídica, no âmbito da Constitucionalidade, da Legalidade e da Legitimidade, foi-lhe desfavorável.

Mentiu sempre ao Povo Guineense e aos Parceiros da Guiné-Bissau, fazendo queixinhas assentes em MENTIRAS, sobre o narcotráfico, a ingerência do Senegal na Guiné-Bissau, as irregularidades no processo eleitoral, de cujo acto eleitoral foi derrotado e bem derrotado; um novo golpe de Estado, e por aí fora…

Assistimos/acompanhamos, de 2015 aos dias de hoje, o Sr. Domingos Simões Pereira, a mentir diariamente, em nome da Guiné-Bissau, por força da sua ambição desmedida pelo poder, e dos seus interesses pessoais e dos grupos de interesse que defende, faz parte…

Um demagogo e arrogante, que desrespeitou sempre o Povo, o Estado, seus Órgãos de Soberania e Instituições, com o Presidente da República à cabeça;

Que País democrático, digno Estado de Direito, de qualquer geo-localização, com determinantes constitucionais e legais devidamente sustentados, admite que um ex-Primeiro-ministro, Presidente de um Partido Político e Deputado da Nação desfira acusações, infundadas, publicamente, de toda a ordem contra o Presidente da República e contra as Instituições do Estado, entre elas, as Forças Armadas, a Comissão Nacional de Eleições, e o próprio Supremo Tribunal de Justiça…?

Quem é o Sr. Domingos Simões Pereira para estar acima da Constituição, das Leis, do Estado e do Povo da Guiné-Bissau?

A Organização das Nações Unidas ignora que o conceito de Democracia assenta numa perspectiva colectiva e plural, quiçá, de um todo que constitui o aglomerado populacional designado POVO e não um indivíduo e a sua estrutura político-partidária?

A Organização das Nações Unidas ignora que antes de se pronunciar sobre as crises políticas e, ou, jurídicas na Guiné-Bissau, deve estar devidamente informada, elucidada, sobre o que existe na Constituição e nas Leis da República da Guiné-Bissau, face às causas das crises em presença?

Não basta o Secretário-Geral da ONU, Sr. António Guterres consultar/ouvir as sustentações infundadas do Sr. Carlos Lopes, Guineense com influência na ONU, mas que nunca beneficiou a Guiné-Bissau com o seu poder de influência positiva, antes pelo contrário…!

O Sr. Domingos Simões Pereira perdeu a segunda volta da eleição presidencial de 29 de Dezembro de 2019 na Guiné-Bissau. Fez diversas artimanhas para contrariar os resultados que lhe foram sempre desfavoráveis, até chegar ao ponto de ruptura, com a internacionalização do alegado conflito pós-eleitoral, em conluio com o Supremo Tribunal de Justiça, e da “solidariedade” dos parceiros da Guiné-Bissau que até hoje, continuam a pensar, equivocadamente, que para terem ganhos nas relações bilaterais ou multilaterais: geo-políticas e económicas, sobretudo, apenas fulano ou beltrano, lhe podem facultar esses ganhos, e daí, o apoio cego, contrariando a Constitucionalidade, a Legalidade, em suma, traindo a Democracia…

É triste ver um filho da Guiné-Bissau, egoísta, arrogante, prepotente e mau para o seu País, e para os seus irmãos…!

O Sr. Domingos Simões Pereira é um vírus perigosíssimo, designado politicamente na Guiné-Bissau, como DSP…

Ou conseguimos uma vacina para o flagelo, ou sujeitamo-nos a uma contaminação e progressão letal, que nos fará desaparecer, em pouco tempo, enquanto Povo Guineense!

E se, tal como o Sr. Domingos Simões Pereira e o “seu” PAIGC estão a promover a descredibilização da Comissão Nacional de Eleições, a favor do Supremo Tribunal de Justiça, em matéria exclusivamente da Competência da Comissão Nacional de Eleições, outros também decidirem promover a descredibilização do Supremo Tribunal de Justiça da Guiné-Bissau, o que será das nossas Instituições?

Basta Sr. Domingos Simões Pereira!

Como Engenheiro e cientista político, que diz ser, vá trabalhar e deixe a Guiné-Bissau em Paz!

Positiva e construtivamente, vamos continuar a trabalhar!

Didinho 03.03.2020

POR QUE SE CALARAM TODOS…?!

Por que se calaram todos, deixando que a Comissão Nacional de Eleições da Guiné-Bissau, único órgão competente para apurar, anunciar/publicar os resultados, quer das eleições legislativas, quer presidenciais, na Guiné-Bissau, fosse atacada e posta em causa pela candidatura derrotada do Sr. Domingos Simões Pereira, em conluio com o Supremo Tribunal de Justiça, refém das investidas anti-democráticas, anti-patrióticas e lesivas ao Interesse Nacional, e cúmplice no bloqueio ao País, mais um, pelo mesmo promotor, depois da mesma estratégia com a Assembleia Nacional Popular, entre 2015 e 2019, por via da sua demissão do cargo de Primeiro-ministro, por decreto-presidencial?

Num vídeo partilhado no Facebook , que tivemos acesso, pudemos ver, de forma clara, inequívoca, transparente e legal, como se processa a contagem dos boletins de voto nas mesas de voto, o que, mesmo sendo um processo arcaico, assenta num processo transparente, quiçá, sem margens para fraudes através da contagem dos boletins que foram depositados nas urnas, pelos eleitores.

No referido vídeo, vimos a presença de diversos observadores eleitorais internacionais, bem como da Representante do Secretário-Geral da ONU na Guiné-Bissau; membros da Célula de Monitorização Eleitoral da Sociedade Civil; diversos jornalistas de diversos órgãos de comunicação social, nacionais e estrangeiros.

Do que sabemos, todos foram unânimes em elogiar a Comissão Nacional de Eleições, pelo brilhantismo do processo e do acto da votação eleitoral.

A própria Célula de Monitorização Eleitoral da Sociedade Civil, no seu relatório preliminar de  30 de Dezembro de 2019, ou seja, 1 dia após o acto eleitoral da segunda volta da eleição presidencial, recomendou aos candidatos, entre outros,  a:  “Respeitar o mandato da CNE enquanto único órgão competente para proclamar os resultados eleitorais.”

As Missões de Observadores Internacionais também se posicionaram favoravelmente sobre o processo eleitoral, salientando a liberdade, a transparência e a justeza do processo.

Face a tudo isso, porque ficaram calados, a assistir ao teatro político/jurídico, da contestação eleitoral pelo candidato derrotado?

Será que vale a pena custear Eleições; Missões de Observadores Eleitorais Internacionais; Células de Monitorização Eleitoral, tudo, envolvendo milhões em nome de apoio à Consolidação de um Processo Democrático que, pelos vistos, tem a imposição de alguns dos financiadores das eleições, caso o seu candidato (presidencial), ou os seus candidatos (legislativas) não vençam as respectivas eleições?

Calaram-se todos, por conveniência, ignorando que passaram a ser cúmplices do clima de incerteza política, económica e social que continuará a pairar sobre a Guiné-Bissau.

Fui sempre defensor da Justiça e dos Injustiçados; Respeitador da Constituição e das Leis do meu País e de todos os Países do Mundo.

O meu sentimento de Justiça, é igualmente um sentimento de solidariedade para com os injustiçados e, não posso deixar de afirmar que, para mim, o Sr. Umaro Sissoco Embaló, proclamado vencedor da segunda volta da eleição presidencial de 29 de Dezembro de 2019, quiçá, proclamado Presidente da República Eleito, pela Comissão Nacional de Eleições, e não “auto-proclamado”, como certa comunicação social portuguesa anda a desinformar, está a ser alvo de uma tremenda injustiça, o que, faz com que da minha parte, haja este sentimento de solidariedade, face à legitimidade que sua vitória eleitoral merece, visto ter sido uma vitória da maioria do Povo Eleitor Guineense que nele votou.

Independentemente de estar ou deixar de estar preparado para o exercício do cargo de Presidente da República, o certo é que, o Povo deu-lhe essa oportunidade e confiança para os próximos 5 anos, por isso, só temos que respeitar a vontade, a escolha, a decisão, do POVO!

Positiva e construtivamente, vamos continuar a trabalhar!

Didinho 01.03.2020

Como é feita a contagem dos boletins de voto

O Direito, entre Juristas e não juristas…

Creio que não estarei a dar nenhuma novidade se disser que os juristas (nem todos, obviamente), guineenses e não guineenses, que abordam a temática constitucional e legal da Guiné-Bissau, sobretudo, nos momentos de crises políticas, e institucionais, são os principais promotores da descredibilização do conceito e do estatuto do jurista.

Ao longo dos anos, assistimos a posicionamentos de vários juristas em matéria de interpretação constitucional e legal, que, mesmo o comum do cidadão apenas com o conhecimento linguístico assente numa formação escolar média, que lhe permite analisar e interpretar um texto opinativo, que não assente em bases científicas, consegue perceber que o uso e o abuso do estatuto de jurista nem sempre é suportado pelos seus posicionamentos alegadamente, de jurista, mas sim, de simples opinante, focado numa perspectiva política e não, jurídica.

Quando assim é, o jurista deixa de ser “jurista” e passa a ser um opinante como qualquer outro, pois que, nos seus posicionamentos, não aborda a sustentação científica do Direito, para casos concretos da sua intervenção, deixando transparecer suas tendências, suas tentações, suas raízes, suas pertenças, enquanto ser humano, comum, como todos os demais.

Outrossim, convenhamos que, a confrontação jurídica é o pilar da sustentação do Direito, enquanto Ciência. Se repararmos bem, nos órgãos colectivos de decisão dos Tribunais, há sempre uma equipa ímpar, para que, qualquer decisão que seja votada, possa haver um voto de desempate, de validação de uma decisão vencedora, isto, porque a cada Juiz de Direito, a sua visão, o seu entendimento, a sua liberdade interpretativa dos casos em julgamento.

Assim sendo, não devemos pensar que todos os juristas devem analisar, interpretar e decidir da mesma forma, ainda que possam muitas vezes ser unânimes nas decisões colectivas.

Os não juristas, por sua vez, não deixam de ser seres humanos, com formação e conhecimento de leitura, análise e interpretação em diversos campos do conhecimento, incluindo o Direito, mesmo não tendo sido essa a sua área específica de formação, mas de complementaridade.

Usar e abusar do conceito e do estatuto de jurista para excluir ou menosprezar a participação cidadã nos debates de ideias sobre assuntos políticos e institucionais da Guiné-Bissau, levados aos Tribunais, de cujos Acórdãos e Despachos, nascem novos conflitos, desta feita, de natureza jurídica, quando a sustentação dos debates é opinativa, repito, opinativa, não é o melhor contributo dos juristas para a informação e o consequente esclarecimento dos cidadãos, não juristas.

Positiva e construtivamente, vamos continuar a trabalhar!

Didinho 01.03.2020