A Guiné-Bissau perante a ausência da moralidade e da ética

Bom dia Casimiro!

É bom confiar nos homens e convidá-los a  comportar-se bem, como é seu costume, Casimiro. Mas sem certas condições nas pessoas, infelizmente, tudo será inútil.

O novo impasse na Guiné, que contém a política sempre no início, depende da falta de moralidade e de ética nos representantes do povo. E antes disso, na ausência de ideais espirituais.

O filósofo Pascal disse que os homens têm sido incapazes de dar força à justiça, então eles acabaram substituindo a justiça pela força. E outro filósofo Del Noce disse que o conceito de democracia, como conceito neutro, sem uma concepção de vida que a sustenta, é algo totalmente irracional.

Contra as decisões inconstitucionais do Presidente da República, houve apenas palavras nas forças políticas; os juízes estão silenciosos, deixando a situação pior, sem proclamar a justiça prontamente.

Os partidos que no início estavam chorando escândalo, agora passam para endossar a violação da Constituição.

Este é o resultado de uma moralidade que com o marxismo se tornou nos governantes estabelecidos na Guiné, que arruinou os princípios naturais do povo guineense.

Enquanto a moralidade tradicional ajudada pela ética cristã não for respeitada, a política da Guiné não será segura.

Matteo Candido – 05.09.2015

Cidadania e Direitos Humanos, ,

Fernando Casimiro

View posts by Fernando Casimiro
Didinho (Fernando Jorge Gomes da Fonseca Casimiro) nasceu em Bissau, República da Guiné-Bissau, em 15 de agosto de 1961 onde fez os seus estudos primários e secundários. Desportista polivalente, foi professor de Judo, tendo participado nalgumas manifestações nacionais e internacionais da modalidade. Em novembro de 1981, deixou Bissau, rumo a Angola, onde veio a ingressar na marinha mercante grega, tendo em 1984 atingido o posto de Oficial Maquinista Naval. Viajou um pouco por todo o Mundo, registando um histórico de 70 países visitados. Após deixar a marinha mercante em 1988, fixou residência em Portugal, onde trabalhou na área de Manutenção Industrial e Metalomecânica até maio de 2015. Empenhado no desenvolvimento e promoção do seu país, criou em 2003 o Projeto “Guiné-Bissau: Contributo” com o objectivo de sensibilizar a opinião nacional e internacional para os problemas da Guiné-Bissau e de contribuir para a busca de soluções para os mesmos. Frequentou o curso de licenciatura em Ciências Sociais, tendo a Ciência Política e a Administração Pública como áreas de especialização. É Consultor para assuntos Políticos, Comunicação e Informação. Autor de vários artigos, nomeadamente sobre a Guiné-Bissau, colabora com diversos órgãos de informação. Humanista, pensador, escritor, poeta, fotógrafo, ativista social, analista e cidadão político, assim é a abrangência multifacetada de um homem simples e apaixonado pela Vida. É sócio efetivo nº 1441 da Associação Portuguesa de Escritores desde 23 de maio de 2017 A 09 de Maio de 2018 publicou o seu primeiro livro de poesia, intitulado MINHA TERRA, MEU UMBIGO, sua 4.ª obra literária, depois de: 1 – O MEU PARTIDO É A GUINÉ-BISSAU – COLECTÂNEA DE TEXTOS EDITORIAIS – VOL. I – 16.08.2016 2 – O MEU PARTIDO É A GUINÉ-BISSAU – COLECTÂNEA DE TEXTOS EDITORIAIS – VOL. II – 22.08.2016 – EUEDITO. 3 – O MEU PARTIDO É A GUINÉ-BISSAU – COLECTÂNEA DE TEXTOS EDITORIAIS – VOL. III – 08.10.2016 – EUEDITO.