Existem perto de 60 milhões de refugiados e pessoas deslocadas em busca de um abrigo, segurança, casa e futuro.

Todos nós sabemos que as raízes desta crise são a pobreza extrema e as guerras fratricidas, sectárias e religiosas. É fácil dizer-se….temos que ir ate as raízes deste problema para encontrar soluções para esta catástrofe do Séc. XXI. Ninguém discorda com esta afirmação eloquente. Mas esta crise crescente da comunidade internacional exige soluções mais urgentes.

Os Europeus enfrentam um desafio extraordinário que inevitavelmente provoca uma reacção humanitária, moral e ética à sua consciência mas também questões políticas reais e de segurança. Não posso senão simpatizar com eles nos esforços de gerenciarem este desafio muito complexo.

A maior parte dos líderes políticos Europeus comporta-se de uma maneira racional e generosa procurando soluções urgentes; mas outros têm inflamado o clima político na Europa descaradamente e irresponsavelmente instigando à anti-imigração, rejeição e violência anti-refugiados. A Chanceler Alemã Angela Merkel subiu na minha consideração quando comprometeu a Alemanha a receber largos números de refugiados e ao mesmo tempo que pressiona outros países da União Europeia para que aumentem as suas quotas de recepção de refugiados.

A Turquia, Jordânia, Líbano estão sobrecarregadas com a crise dos refugiados que emana do Iraque, Síria, Líbia. Os países na Asia – Irão, Índia, Indonésia, Malásia, Paquistão, Tailândia – têm sido anfitriões de milhões de refugiados nas últimas décadas. Demasiados refugiados têm sido confinados em centros de detenção por demasiado tempo, com as suas vidas desperdiçadas, com a Agência de Refugiados da ONU a ser incapaz de encontrar um destino permanente para eles.

Quais são as soluções imediatas de curto prazo; quais são as respostas a longo prazo para estes desafios?

A Austrália, Nova Zelândia, Canadá, USA e a Europa devem acomodar muitos mais, começando por famílias com crianças e adolescentes.

Mas outros que têm mantido silêncio nesta questão deveriam receber uma percentagem proporcional de refugiados, nomeadamente países da América do Sul como o Brasil, Argentina, Chile, Peru, Bolivia, Colômbia, Venezuela, todas com vastas terras por habitar que muito iriam beneficiar com este fluxo de refugiados.

Os países da América-Latina que como os EUA, Canadá, Austrália e Nova Zelândia nasceram do maior movimento de pessoas do mundo nas gerações passadas, com milhões a fugir da pobreza e guerras da Europa, para assim construírem novas vidas, deviam hoje abrir os seus braços a outros seres humanos, mulheres e crianças que fogem das catástrofes do Médio Oriente e África.

Os povos destes países têm um grande coração, são generosos e acredito que abririam as portas de suas casas para estes refugiados. Mas necessitariam de assistência económica e financeira para conseguirem absorver o fluxo de refugiados.

A União Europeia, o Banco Mundial, as Instituições regionais inter-estaduais, bancos comerciais e empresas conseguiriam mobilizar e investir fundos suficientes para apoiar os países de acolhimento a absorver o impacto dos refugiados, e criando novas oportunidades económicas para os refugiados re-instalados.

Carlos Slim, o homem mais rico do mundo é originário de uma pequena cidade no Líbano. Em toda a América Latina se encontra indivíduos bastante bem sucedidos que fugiram à pobreza no Líbano e na Síria nas gerações passadas. Hoje estão em posições de riqueza e poder político. Certamente estariam entre os primeiros a apoiar esta ideia.

A experiência diz-nos que os refugiados nunca foram um fardo ou uma ameaça para países de acolhimento; na verdade, os refugiados sempre demonstraram uma resiliência extraordinária assim como criativadade em inventar modos de vida sustentáveis para si, em atividades que vão desde bancas de comida a agricultura e pecuária, piscicultura e outras atividades económicas.

José Ramos-Horta

https://www.facebook.com/officialramoshorta/posts/962397150478836

______
Lea aquí la versión española: http://goo.gl/73tSO1

European Union officials struggle to cope with the growing crisis.
nytimes.com

Deixe uma resposta