Em primeiro lugar, importa aqui compreender a cidadania como o acto de apropriação de um conjunto de direitos e deveres que orientam as acções de mulheres e homens, enquanto ferramentas/fazedoras das suas próprias sociedades.

E importa, igualmente, ler o conceito de responsabilidade social fora da sua aplicação mais comum, ligada ao mundo empresarial, com referência ao conjunto de deveres que uma empresa tem para com o meio envolvente. Reconhecendo assim que as suas decisões e o resultado das suas actividades alcançam um universo de agentes sociais e individuais muito além dos directamente envolvidos no exercício empresarial.

Em segundo lugar, o conceito de desenvolvimento aqui empregue deve ser entendido como crescimento do capital humano. Por entender que se trata do principal factor para a evolução de todos os outros componentes de uma sociedade.

Mas porque razão trazer este tema para o debate e consideração dos interessados?

Porque, mais uma vez, a conjuntura nos mostra que importa, discutir e interiorizar que os nossos actos, as nossas decisões, têm consequências perante a sociedade que nos envolve. Sejam elas positivas ou negativas.

Quer vivamos de forma integrada ou marginalizada, os nosso actos não são isolados! Têm impactos directos e/ou indirectos que afectam toda a nossa cadeia de ligações social.

Portanto, é preciso que consideremos e adoptemos formas conscientes de crescimento, para uma actuação orientada para consequências positivas na nossa cadeia de ligações sociais.

E a responsabilização social entra nesta minha abordagem a cidadania porque pode, de facto, ser um factor estratégico importante para a criação de uma sociedade mais consciente do papel de cada um, estimulando assim o desenvolvimento de competências individuais ao serviço do tecido social a que perencem.

Estimular e desenvolver competências individuais que, por sua vez, promovem a adopção de uma postura pró-activa perante o meio envolvente, criando e dinamizando novas formas de encarar problemas sociais existentes, trazendo novas abordagens que incluem a visão das partes mais interessadas.

Mas como é óbvio, tudo isso implica dar enfâse as palavras engajamento e apropriação. Palavras-chave em todo este processo de auto-responsabilização social. Porque é preciso nos sentirmos parte do problema, para nos perguntarmos qual o nosso papel, qual a nossa atitude perante o mesmo, para depois nos sentirmos parte da solução e nos perguntarmos o que temos feito para a resolução/saneamento desse problema, para a melhoria de vida e o bem-estar da comunidade e da sociedade em geral.

Contudo, o engajamento e a apropriação dos problemas sociais existentes têm que ser orientadas para a conscientização individual na mudança de paradigmas.

Quero com isso dizer que a responsabilidade social tem de ser encarada, por todos nós, de forma integrada com o desenvolvimento humano. Maximizando a aposta no desenvolvimento de competências individuais e na liderança, explorando bons exemplos com potencial de transformação social.

Porque é com o aumento do conhecimento que se aumenta a responsabilidade social. E é por meio da responsabilidade social que vem uma maior apropriação de um conjunto de direitos e deveres que orientam as nossas acções, enquanto mulheres e homens, cidadãos de um Estado, fazedores de uma sociedade: a sociedade desejada. Pois há que colocar todo o conhecimento adquirido em funcionamento e, logicamente, como já disse anteriormente, isso repercute-se na sociedade, já que as nossas acções nunca são isoladas, têm sempre consequências, directas e/ou indirectas.

Termino reiterando a ideia de que é necessário ser cada vez mais cidadão, adoptando formas conscientes de crescimento, para uma actuação orientada para efeito positivos na sociedade.

Estamos Juntos!

Deixe uma resposta