ERA MESMO LUZ AO FUNDO DO TÚNEL?

ERA MESMO LUZ AO FUNDO DO TÚNEL?

Meses atrás, publicamos um artigo de esperança, acreditando que era o princípio do fim desta “nudade”, como o Franklin (Ntin) lhe chamou, a Covid-19.

Quanto longe da verdade eu estava!

Nas semanas que seguiram o Thanksgiving e as Festividades Natalícias, vimos uma subida fulminante no número de doentes infetados pelo Coronavírus. Na semana passada, como intensivista, tive que admitir pacientes na sala de urgência do Hospital e, sem exagero, foi um pesadelo!

Diariamente pensei que estava num dos M*A*S*H (Mobile Army Surgical Hospital) hospitais da Guerra do Vietnam ou Coreia (Korea), com intubacōes sem fim, tubos torácicos, etc., etc., e chegando ao fim do dia completamente estoirado, mas com a carência de intensivistas nestas alturas, definitivamente, como dizemos na nossa gíria, “No Rest for the Weary”- Não há descanso para os cansados.

O pior é quando temos de cuidar dos nossos colegas de profissão: a angústia de ter que informar os familiares de que faleceram, ou se não faleceram, ter que ver a angústia da incerteza nos olhos das esposas/os e filhos/as…

Na semana passada, recebi um sms de uma colega, chefe da sala de urgências, dizendo para ir à sala de urgências porque um dos nossos ortopedistas necessitava de ser admitido com Covid 19 e provavelmente necessitaria de ser intubado (este ortopedista, um amigo meu, a minha filha frequenta a mesma escola com a sua filha e tratou o meu sobrinho quando ele contraiu uma lesão do menisco)! Felizmente, depois de pôr o HFNC (Cânula Nasal de Alto Fluxo), a saturação do oxigénio subiu de 67% para 91% e começamos tratamento com Remdesivir/Dexametasona/Convalescent Plasma.

A condição dele melhorou favoravelmente depois de 7 dias e teve alta, estando bem agora. (Falando mais em detalhe com ele, teve contacto com alguém com Covid 19, tomou a vacina 3 dias depois, mas a vacina leva dias para conferir imunidade… e o resultado foi que, apanhou a infeçao).

Estamos a passar pelos piores momentos desta “Nudade”, tal como da última vez, mas agora com mais confiança, com a Vacina, penso que podemos ver a Luz ao fundo do Túnel.

Da minha parte, tive a primeira dose da vacina da Pfizer no dia 16 de Dezembro e agora a segunda dose no dia 4 de Janeiro: algumas dores musculares nas 24 horas depois das injeçōes, mas nada mais. (Acreditando nos estudos, a primeira dose confere por volta de 54% de imunidade, mas depois da segunda dose, a imunidade sobe para 94-96%).

Mas, a realidade é esta: neste preciso momento em que escrevo este artigo, nos Estados Unidos Da América, temos 22 milhões, quatrocentos e cinquenta e seis mil e novecentos e dois casos (22,456,902) de Covid 19; Trezentos e setenta e oito mil, cento e quarenta  e nove mortos (378,149), graças à nossa “amostra” de presidente, e milhōes de americanos que não acreditam no uso de mascaras!

Esta tem sido a realidade vivida nestes últimos 4 anos, onde, parafraseando George Orwell: War is Peace; Freedom is Slavery; Ignorance is Strength!

Vi com os meus olhos, ouvi com os meus ouvidos: famílias de doentes nossos argumentando que Coronavírus não existe, é uma invenção dos médicos e da imprensa estrangeira para conspirar contra a América!

VIAGENS NA AMÉRICA

Como estudante do Ensino secundário no Colégio Nuno Álvares em Tomar/Portugal, e depois no Liceu Kwame Nkrumah/Guiné-Bissau, fui sempre fascinado pelo livro clássico “Viagens na minha Terra” de Almeida Garrett (somente de Lisboa a Santarém, mas fascinante!).

Este romance motivou-me a viajar (mesmo quando não queria), com a equipa de futebol do Sport Bissau e Benfica ao interior da nossa Guiné (Ngoré, Bafatá, Gabú, etc.), a viajar (quando de férias na Faculdade de Medicina) à Valença do Minho, Ponte de Lima, a igreja do Bom Jesus do Monte e mais, e mais: porque viajando através de um país  é uma oportunidade de conhecer a “gente”, a forma de pensar, a cultura, e aprender…

Com esta motivação, depois de concluir a minha primeira especialidade médica no Memorial Sloan Kettering em New York Hospital – Cornell, decidi fazer a minha” Viagens na Minha Terra”, partindo do bairro de Flushing (Condado de Queens, New York), onde residia num apartamento; Queens, condado do bairro onde cresceram Simon and Garfunkel (Kew Gardens) e onde o agora “desgraçado” presidente Trump nasceu (Jamaica Hospital) e cresceu (Jamaica Estates).

As minhas opçōes eram:

1 – Refazer o trajeto que Peter Fonda (Wyatt), Dennis Hopper (Billy) e Jack Nicholson (George Hanson) fizeram no filme “Easy Rider” de Los Angeles a New Orleans.

2 – Viajar no histórico Route 66 (De Chicago a Santa Monica, Califórnia)

3 – Visitar a “Mãe” de todos os parques nacionais da América: The Yellowstone

Depois de muito ponderar, decidi pelo último, e não me arrependi.

Isto foi antes de me casar e antes de Trump subir ao poder (menos risco de encontrar “malucos” neo-Nazis nas auto-estradas).

Tomei um avião para Chicago e depois de alugar um carro (Lincoln Mercury), tomei a minha viagem.

De Chicago, passei por Madison e La Crosse (Wisconsin), depois Albert Lea (Minnesota).

No percurso entre Albert Lea e Sioux Falls (South Dakota) tive um pequeno inconveniente (um polícia parou-me na auto-estrada e, como sempre, a pergunta habitual a um “black male” na “Terra de todos os homens foram criados iguais”: “tens droga no carro? – com certeza que não, e pode revistar o carro se quiser!

Felizmente era antes dos tempos em que vivemos com o Trump e depois de saber que era médico, começou a dar umas piadas e deixou-me ir…

Depois de Sioux Falls, visitei os “Badlands” no South Dakota, mais especificamente a Reserva Indiana de Pine Ridge (que miséria, casas sem eletricidade, sem água potável, não queria acreditar!

Os Bairros de Varela (onde nasci), Pilum e Chão de Papel são paraísos quando comparados com as condiçōes em Pine Ridge!

Uma Nação de passado orgulhoso como a Nação Índia, ser tratada desta forma: Drogas, sobrevivendo de enlatados doados como esmola pelo Governo Americano!

Uma visita para esquecer ou para lembrar eternamente.

Depois desta experiência, retomei a minha viagem e cheguei a Rapid City (ainda na South Dakota) já de noitinha e dormi num motel. No dia seguinte, visitei o Mount Rushmore (monumento nas montanhas do Black Hills, com os bustos de 4 presidentes americanos- Washington, Jefferson, Lincoln e Teddy Roosevelt) – Impressionante!

Falando de Black Hills (Colinas Negras), só uma pequena nota: no início, houve um acordo entre o governo americano e a Nação Sioux para os pioneiros não entrarem no solo sagrado dos Black Hills, mas depois de, “por acidente”, terem encontrado ouro nesse solo sagrado para os Índios, o acordo deixou de existir e começaram os massacres em que os Índios foram dizimados, excepto em algumas batalhas como o Little Big Horn onde Sitting Bull (Touro Sentado) e Crazy Horse (Cavalo Louco) derrotaram o General George Armstrong Custer.

Curiosamente, estas histórias tenho sabido delas desde os meus tempos de criança na rua de São Tomé, em Bissau, graças aos livros de “cowboys” – tínhamos um pequeno círculo de “viciados” de livrinhos de “cowboys”, com visitas frequentes à casa Carvalho (Ancar), Livraria do Benfica e uma outra livraria de que já não me lembro (Era o Sebastião do sr. Djedje Kiria, O Rui Djamba do Cobiana Jazz, o Carlos Resende Costa (Nham) de nha Nanucha, e o nosso “Mundinho”).

Logo de seguida, dei um salto ao monumento dedicado a Crazy Horse (Cavalo Louco), Famoso chefe Índio, e que ainda estava em construção. Depois foi um curto salto a Sturgiss (local de congregação anual dos motociclistas – Bikers – de todas as partes dos Estados Unidos) e a Deadwood (cidade feita famosa por ser o sítio em que Wild Bill Hickock foi morto).

A etapa seguinte foi uma visita ao Devil’s Tower no Estado de Wyoming (monumento sagrado para os Índios e que, para os aficionados de filmes de cinema, foi o sítio central do filme Close Encounters of Third Kind – Encontros Imediatos de Terceiro Grau – de Steven Spielberg-); Uma experiência sobrenatural a visita a este sítio.

Depois desta paragem, foi uma longa viagem (pradarias sem fim, espaços abertos, sítios isolados, ranchos separados por dezenas, senão, centenas de quilómetros…

A ideia era chegar a Yellowstone à noitinha, mas como houve uma avalanche de neve (a neve nas montanhas começando a derreter com o Verão e bloqueando as estradas), não pude chegar à cidade de Cody (Homenagem ao caçador de búfalos/bisontes Bufalo Bill Cody); Tive que fazer um grande desvio para chegar à cidade de Jackson Hole (Wyoming).

Dois dias depois, finalmente cheguei às majestosas Teton Mountains, junto vão fotografias, mas mesmo as fotografias não fazem justiça à beleza natural deste cantinho nos Estados Unidos!

A próxima etapa  foi o Parque Nacional de Yellowstone (o primeiro parque nacional dos Estados Unidos), com os Deslumbrantes Geysers, búfalos (ou bisontes como os Nativos Americanos os preferem chamar), ursos na distância, não fiquei arrependido!

Anos depois, fiz uma segunda visita, já com a minha família e todos gostaram.

HOMENAGEM  A PERSONAGENS QUE INFLUENCIARAM E CONTINUAM A INFLUENCIAR A MINHA VIDA

Em muitas ocasiōes, mencionei ou homenageei conterrâneos meus que me antecederam, influenciaram e ajudaram (direta ou indiretamente) a moldar a minha carreira.

Abrão, Azi Monteiro, Chico Fós, Pipi Cunha, Rufino Mendes, Rafael da Silva, João Pinhel (Gungo), Caló Captain (Carlos Gomes), o Honorato (Sapo) Justen de Bandé, Honório Sanches, DeGaulle, Atchutchi, Juventude 71, Sidónio e muitos outros.

Hoje queria fazer referências a duas personagens com quem tive a honra e oportunidade de compartilhar experiências e aprender com elas nestas minhas andanças nos Estados Unidos:

1 – Dr. John Crear

Quando cheguei a Las Vegas em 1999, tive o prazer de começar a minha carreira trabalhando com este indivíduo que, na altura eu não sabia que era uma personalidade histórica em Las Vegas.

Ele nasceu em 1925 em Prairie View, Texas e depois de servir como paramédico na segunda Guerra mundial, no Pacífico, decidiu fazer o curso de medicina na Universidade de Califórnia, Irvine.

Na altura, havia somente um médico negro em Las Vegas (Dr. James West), servindo toda a comunidade negra no “West” Las Vegas (os negros eram proibidos de frequentar a maioria das áreas em que estavam os doutores brancos!

O Dr. West convidou o Dr. Crear e ele veio, começando a servir a comunidade negra de Las Vegas.

Infelizmente, o Dr. Crear, adoeceu e tomei conta dele durante esse período, vindo a falecer em 2003.

Temos uma Fundação (West-Crear foundation), dedicada a ajudar médicos e comunidades Negras em Las Vegas, continuando o trabalho do Dr. Crear e do Dr. West.

2 – Kamala Harris

Brilhante pessoa, filha de imigrantes (pai originário da Jamaica e mãe originária da Índia) que foram muito ativos durante o período dos Civil Rights Movement.

Ela candidatou-se para a presidência dos Estados Unidos e um group de Médicos de origem Africana e Indiana arranjou uma campanha de angariação de fundos para a sua candidatura. Ela veio a Las Vegas em Junho de 2019 e tivemos oportunidade de conversar extensivamente – brilhante e compassionada.

Não ganhou a nomeação para presidente na altura, mas não é a primeira mulher e primeira negra e primeira Indiana a chegar ao posto de vice-presidente (e, mais importante,talvez, é o voto que desempata o senado).

PARA TERMINAR, ALGUNS GOSSIPS (BISBILHOTICES)

De vez em quando, como Las Vegas é conhecida como a cidade do divertimento, muitos conterrâneos me perguntam se conheço ou já tratei de alguma celebridade…

1 – Não tratei dele antes de morrer, porque cheguei a Las Vegas 2 anos depois de ele ser assassinado nas ruas de Las Vega; mas, um colega meu na University Medical Center, onde comecei a lecionar,não se cansa de me lembrar:”eu estava aqui no Trauma Center e cuidei do Tupac Shakur antes de morrer.

2 – Joe Jackson e Katherine Jackson (pais do Michael Jackson e dos Jacksons)

Joe Jackson era o meu companheiro nas minhas jogadas matinais no parque perto da minha casa (eu a correr ele a caminhar; falamos de Soccer-futebol para nós-o que não é habitual porque os americanos têm outras paixōes.

A Katherine muitas vezes nos encontramos e falamos no nosso supermercado habitual, antes de mudarmos para outra parte da cidade.

3 – Johnny Tapia

De 1988 a 2000, ele foi considerado um dos melhores boxistas da sua categoria.

Infelizmente, devido a problemas com Drogas, cuidei dele depois de uma overdose, entubado, conseguiu sobreviver e dei-lhe alta (artigo abaixo).

4 – Mike Tyson

Não como doente, mas como familiar de um doente, tive a oportunidade de falar com ele algumas vezes no hospital

5 – Lamar Odom e a família Kardashian

Infelizmente, Lamar Odom (ex LA Lakers), decidiu ir a um Bordel legal nos arredores de Las vegas, teve overdose “de tudo” foi admitido no nosso hospital em coma, insuficiência renal aguda, e mais.

Na altura, foi um circo: tive a oportunidade de falar com a Kim Kardashian, e mais com a Khloe Kardashian que na altura ainda era casada com o Lamar e praticamente acampou no quarto dele até ele ser transferido para Los Angeles depois de ser Extubado e muito melhor.

O Kobe Bryant e muitos jogadores da NBA também o foram visitar.

6 – Walter Williams dos O’Jays.

Um colega de emergência disse-me para ir à sala de urgências para admitir um indivíduo de raça negra, de 77 anos, com Coronavirus, insuficiência respiratória aguda e insuficiência renal aguda.

Depois de examinar o paciente, recebi uma chamada de um Neurocirurgião amigo meu e amigo do paciente: “sabes quem ele É?”- é Walter Williams,” Rock – And-Roll-Hall of Fame” dos O’Jays

E era: e teve um single com Beyonce’-He still Loves Me

The O’Jays foi um Famoso grupo dos anos sessenta.setenta (a par com os Four Tops, Temptations, Tavares, etc.).

Felizmente foi extubado e ainda estava no hospital na semana passada.

Djoca 09.01.2021