ALERTA SOBRE ESTRATÉGIAS DA DIVISÃO SOCIAL NA GUINÉ-BISSAU

Não fosse a divisão social promovida pelos políticos e governantes guineenses, através da actual crise política, certamente não teríamos tantos blogues, tantos movimentos disto ou daquilo.

É preciso entender que o Povo quando devidamente esclarecido, não faz manifestações de cariz político, mas sim, de cariz social, assentes em reivindicações, onde se incluem as necessidades colectivas e os Direitos Fundamentais, face ao incumprimento dos políticos e governantes com o juramento de servirem o Povo que representam.

Vemos manifestações de partes distintas de um todo profundamente dividido, que é o Povo Guineense, assentes em reivindicações de natureza política, explícita ou implicitamente, em defesa, ou a favor de alas políticas em confrontação numa crise política que cada vez mais leva o Povo à confrontação social.

É urgente pararmos com isso!

Dos palcos políticos institucionais passamos para o palco virtual e mais recentemente para a acção no terreno, nas ruas, ignorando que não se está a promover manifestações sustentadas pela defesa de causas nacionais e que de manifestação em manifestação de um lado e do outro, poderemos estar a preparar as condições para uma convulsão social de consequências imprevisíveis.

Vamos parar para reflectir sobre as consequências que esta teimosia dos políticos pode ter para com a Unidade Nacional, quiçá para a Guiné-Bissau e para todos os Guineenses?

Positiva e construtivamente.

Didinho 10.03.2017

———————————————————-

Não aceitemos mais, enquanto guineenses, que uns e outros, a bem dos seus interesses, nos dividam, enfraquecendo-nos; nos intriguem, virando-nos uns contra os outros, quando o que está em causa é o Interesse Nacional, quiçá, a soma dos Interesses de todos os Guineenses e não apenas, de um grupo ou grupos de guineenses! A Guiné apenas precisa do compromisso dos seus filhos para que tudo o “resto” seja uma realidade! Didinho 10.04.2014

 

A PROPÓSITO DAS DECLARAÇÕES DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA SOBRE A CORRUPÇÃO

A luta contra a corrupção, sobretudo no aparelho do Estado, deve merecer atenção do Presidente da República, contudo, é um equívoco do Presidente da República, pensar que ele Presidente da República, demitindo governos, atrás de governos, vai acabar com a corrupção no aparelho do Estado.

O Presidente da República continua equivocado sobre os seus poderes e as suas competências constitucionais, bastando considerar as suas declarações sobre diversos assuntos da vida política, administrativa e jurídica do país.

Se a corrupção é um problema para o Presidente da Republica, que demitindo vários governos, alegando práticas de corrupção, julga estar a resolver o problema da corrupção, teremos obviamente que questionar quem foi julgado e condenado por práticas de corrupção no aparelho do Estado, até hoje, sendo que a legislatura iniciada em 2014 já vai no quinto governo?

Para que serve o Tribunal de Contas?

Para que serve o Ministério Público?

Para que serve a Alta Autoridade de Luta contra a Corrupção?

Para que serve a Assembleia Nacional Popular?

O Presidente da República quer acabar com a corrupção no aparelho do Estado com medidas políticas, ignorando acções judiciais de responsabilização e penalização, para casos de corrupção, com base na  Lei?

Não será por via desta prática decisória incoerente e em certa medida, irresponsável, que a Justiça não funciona e cada um que chega ao governo faz questão de enriquecer à custa do Estado, porquanto a corrupção ser sancionada apenas com a exoneração do cargo no Estado?

O Presidente da República, que é um economista, continua a ignorar o facto de que, num país onde se investe na instabilidade política e social, ninguém fará investimentos sérios em Projectos económicos e financeiros.

O Presidente da República continua a ignorar que a crise política que já leva tempo demasiado, é o primeiro suporte para a desgovernação e a delapidação do tesouro público.

Sr. Presidente da República da Guiné-Bissau, Dr. José Mário Vaz, é um contra-senso apelar ao Povo para se unir na construção da Nação e não ouvir parte desse Povo que também aconselha, faz sugestões, faz críticas positivas e construtivas às acções de evidente inconstitucionalidade e em prejuízo do País e de todo o Povo Guineense, por parte do Presidente da República.

Sr. Presidente da República, permita aos outros órgãos de soberania exercerem seus poderes e suas competências com base no princípio estruturante da separação de poderes de um regime político semi-presidencialista de pendor parlamentar, que é o nosso caso.

Sr. Presidente da República, permita que a Guiné-Bissau tenha Instituições fortes, evitando substituir a natureza e a funcionalidade das instituições do Estado, ao ponto de querer afirmar-se como o Estado em pessoa.

Sr. Presidente da República, está na hora de usar as suas competências e os seus poderes constitucionais para acabar com a actual crise política. Já chega de tanta explicação sobre os porquês das demissões dos vários governos, demissões que não resolveram o problema da corrupção no aparelho do Estado, antes pelo contrário.

Já chega de tanta demagogia, de tanta divisão e instrumentalização do nosso Povo!

Positiva e construtivamente.

Didinho 12.03.2017

UMA PROPOSTA PARA A GUINÉ-BISSAU

UMA PROPOSTA PARA A GUINÉ-BISSAU

Fernando Casimiro Didinho
Fernando Casimiro Didinho

Se os políticos não são capazes de representar o Povo, esse Povo pode e deve exigir a mudança do sistema de poder em função dos seus interesses, quiçá, do Interesse Nacional.

Como?

Para que servem as eleições na Guiné-Bissau, senão para legitimar o tal poder que emana do povo?

Ao longo de 42 anos de independência, o Povo Guineense, verdade seja dita, nunca foi dono do poder que lhe é conferido na lógica da essência da Democracia.

A abertura ao multipartidarismo em 1991 e a formalização duma nova era política e democrática assente no pilar de um Estado de Direito Democrático, contrariamente ao Estado sustentado pelas directrizes do partido libertador, não foi capaz de alterar a realidade do vínculo mono-partidário do Estado que continua a ser a Guiné-Bissau.

Já li e ouvi várias propostas no sentido de a Guiné-Bissau ser tutelada pelas Nações Unidas.

E por que não a Guiné-Bissau ser dirigida fora do âmbito político-partidário, durante cinco a dez anos, pelos seus próprios filhos sem filiação partidária, num processo de transição para uma Democracia efectiva e de redefinição do conceito de Estado de Direito desenraizado das reivindicações de um passado que continua presente no facto de se ter ido à luta armada?

Seria um processo duma verdadeira Transição Política e Governativa, capaz de promover a reestruturação dos actuais partidos políticos, incluindo a saída de cena (extinção) de muitos que não têm bases para continuarem a existir, ou, a fusão e, ou, surgimento de novos partidos políticos melhor concebidos e preparados para o novo modelo político e governativo que se deve projectar para uma nova Guiné-Bissau, ou o que designo como a Guiné-Bissau Positiva.

Num processo ordinário, teríamos eleições presidenciais em 2019 e legislativas em 2018.

Se o Povo quiser, pode exigir a alteração de todo o processo que fundamenta e regula a organização política do Estado, pois ao Povo pertence o Poder.

E como seria possível essa exigência ser convertida em factos?

Que razões sustentariam uma ruptura com o actual estado de coisas, ainda que assentes num “radicalismo” necessário, face aos sucessivos golpes que têm sido perpetrados quer por políticos, quer por militares, contra o Povo, o Estado e a Nação?

O Povo poderia decidir não participar nas próximas eleições, presidenciais ou legislativas, ou seja, não legitimar a representatividade do seu Poder aos partidos políticos e aos candidatos apoiados pelos partidos políticos existentes, por tudo quanto nunca foi traduzido na satisfação das suas necessidades, mas sim, na satisfação de interesses de políticos e governantes guineenses, ironicamente, em nome do próprio Povo.

Essa decisão poderia ser “construída” , trabalhada e implementada através da Sociedade Civil e apoiada pela Comunidade Internacional, face ao realismo da conjuntura política e governativa guineense.

A Guiné-Bissau tem potencialidades naturais e humanas capazes de garantir a sua estabilidade e o seu desenvolvimento.

Até às eleições presidenciais e legislativas de 2014 atribuía-se todas as culpas dos cíclicos percursos de instabilidade política e violência, às Forças Armadas, quando, na verdade, o problema foi sempre dos políticos e dos governantes, ou promovidos por suas acções.

Há que romper com o estado do Estado que continua a (in) existir na Guiné-Bissau, através duma manifestação e demonstração do Povo, de forma consciente e pacífica, para que, cidadãos guineenses, despidos de qualquer capa político-partidária e merecedores de reconhecimento popular, assumam um novo processo de projecção, construção, edificação e afirmação da Guiné-Bissau sonhada por todos os mártires da luta armada de libertação nacional, incluindo Amilcar Cabral.

Não seria fácil a obtenção dum consenso relativamente aos que mereceriam o reconhecimento popular para fazerem parte da equipa que iria organizar e executar todo um Processo Complexo, mas razões e propósitos em defesa do Interesse Nacional seriam suficientes para que todas as divergências fossem ultrapassadas, visto termos, de há 42 anos a esta parte, um país adiado ao desenvolvimento e condenado ao retrocesso.

Há muitos cidadãos guineenses na Guiné-Bissau e no estrangeiro, comprometidos com o País e não com os interesses político-partidários, cidadãos com mérito, com conhecimentos e competências, capazes de ajudar a mudar positivamente a Guiné-Bissau, numa fase de Transição que implica o necessário afastamento (ou se quisermos, colocação em “quarentena”) dos partidos políticos do dirigismo nacional, por razões que a própria realidade guineense espelha.

Se os políticos e governantes da Guiné-Bissau não forem capazes de resolver a actual crise política e governativa, a minha proposta para se salvar a Guiné-Bissau passa por retirar a representatividade política e governativa aos partidos políticos e concedê-la à Sociedade Civil por um período mínimo de cinco anos e um máximo de dez anos, período que serviria para preparar uma nova Constituição da República e novas leis da República, ou actualizadas face a um novo realismo da Guiné-Bissau como Estado de Direito e Democrático.

Todos estamos de acordo, penso eu, que as eleições por si só, não resolvem os problemas da Guiné-Bissau, ou, pior que isso, são geradoras de novos problemas, relacionados com a disputa do Poder.

Para quê continuar a financiar, organizar e realizar eleições, despendendo milhões de milhões que poderiam ser úteis na concretização de programas visando a satisfação das necessidades colectivas?

Constata-se que ao longo de 42 anos, a impreparação de políticos e governantes guineenses, aliado à ganância, visando a satisfação dos interesses pessoais e familiares, em detrimento do bem-estar colectivo, tem prejudicado a Guiné-Bissau e o Povo Guineense, por isso, há que inverter a lógica da representatividade do Poder.

A Democracia e o Estado de Direito devem ser alicerces da Guiné-Bissau Positiva, mas é preciso que os actores políticos estejam preparados para o exercício da actividade política e governativa, o que infelizmente, não é o caso na Guiné-Bissau.

Para quê insistir em eleições quando o Povo vota e nunca vê suas aspirações concretizadas, num claro desrespeito pelo seu Poder?

Não seria melhor promover-se, com o patrocínio das Nações Unidas, um Fórum de debates sobre alternativas políticas e governativas na Guiné-Bissau, face a 42 anos de experiências negativas e que vão expandindo raízes cada vez mais diversificadas e sustentadas em negativismos capazes de fazer colapsar o que ainda se designa ou resta de Estado?

Sou a favor duma nova abordagem visando uma nova projecção da Organização Política do Estado na Guiné-Bissau, pois que, tudo o que existe é uma trapalhada assente numa perspectiva reivindicativa dum processo iniciado com a luta armada de libertação nacional.

Se houver realismo e coragem para se avançar com a Refundação do Estado, pois é disso que se trata nesta proposta, conseguiremos libertar a Guiné-Bissau das raízes que, volvidos 42 anos, reivindicam direitos eternos e sucessórios (herança), de terem participado na luta armada de libertação nacional.

Cinco a dez anos dum Processo de Transição visando uma Guiné-Bissau Positiva, sem a participação dos partidos políticos pelas razões dadas a conhecer, mas sustentada por princípios e valores democráticos, bem como de um Estado de Direito, seria, a meu ver, a solução “radical” necessária para a projecção, construção e implementação de estruturas de salvaguarda dos princípios e valores promotores duma visão sustentável relativamente às necessidades colectivas e à afirmação do Estado.

Por uma Guiné-Bissau Positiva!

Por uma Nova Constituição da República da Guiné-Bissau!

Pela revisão e actualização das Leis da Guiné-Bissau em função duma nova Constituição da República!

Por uma Nova Bandeira Nacional, um Novo Hino, em suma, por Novos Símbolos Nacionais!

Positiva e construtivamente.

Didinho 18.05.2016

 

O papel dos blogs na Guiné-Bissau: ontem, hoje e amanhã

Escrever ou falar sobre blogs implica necessariamente escrever e falar sobre sites, ainda que de forma sucinta, para uma melhor compreensão do significado quer dum quer doutro, bem como do que os distingue, tendo em conta a natureza e o conceito base que lhes é comum, ou seja, a alocação e disponibilidade de ambos no espaço Web.

Um blog é um tipo de site de natureza pessoal (ao alcance de qualquer interessado já que não requer conhecimentos técnicos para a sua construção, por ser disponibilizado com todas as ferramentas e orientações pelo fornecedor de serviço) com características e particularidades próprias que lhe permitem ser uma página dinâmica, interactiva e cujo conteúdo pode ser rapidamente e facilmente actualizado.

Um site numa perspectiva tradicional e abrangente é um conjunto de páginas alocadas no espaço Web onde existe uma página principal/inicial que se relaciona com várias outras ditas sub-páginas ou secções. Por ser mais complexo que o blog requer conhecimentos técnicos para a sua construção. Ainda que possa ser de cariz pessoal, um site pela amplitude do seu conteúdo, quiçá, pelas suas características e particularidades assume maior relevo para assumir o papel de uma plataforma de natureza institucional ou corporativa.

A evolução das tecnologias no âmbito da criação de ferramentas para construção de sites e blogs tem contribuído para uma complementaridade cada vez mais frutífera na utilização gratuita quer de blogs quer de sites e na disponibilização de mais e melhores meios/mecanismos de comunicação entre produtores e consumidores de conteúdos.

Para uma abordagem conceitual mais ampla sobre blogs e sites sugiro-vos a leitura dos seguintes links:

Blog
Site
Entrando concretamente no tema proposto “O papel dos blogs na Guiné-Bissau: ontem, hoje e amanhã” importa salientar antes de mais, e independentemente de todo e qualquer tipo de juízo contrário, a importância quer dos blogs quer dos sites na ligação dos guineenses ao mundo global, por um lado, e à própria Guiné-Bissau por outro, sobretudo a partir de 2003 aos dias de hoje.

Para esta abordagem debruçamos sobre um Projecto de Cidadania criado em 10 de Maio de 2003 designado como “Projecto Guiné-Bissau CONTRIBUTO”, idealizado e dirigido por Fernando Casimiro (Didinho) como uma estrutura virtual devidamente fundamentada tendo em conta as causas que motivaram a sua criação por um lado e, por outro, a definição de uma declaração onde estabelece uma visão, uma missão e objectivos fundamentais do Projecto.

Ainda que o Projecto CONTRIBUTO tenha sido criado em Maio de 2003 só a 26 de Maio de 2004 é que foi lançado o seu primeiro site na Internet através do portal Sapo http://didinho.no.sapo.pt

Na ausência duma plataforma própria, a forma encontrada para transmitir a mensagem, os objectivos etc. foi a de utilizar espaços públicos de opinião na Internet.

As únicas portas abertas eram os fóruns de discussão existentes nalguns sites que, no entanto, e apesar de várias solicitações nesse sentido, nunca aceitaram publicar nenhum texto de opinião do fundador do Projecto Guiné-Bissau: CONTRIBUTO nos espaços reservados à publicação de artigos de opinião.

Naquela altura (2003) havia poucos sites que abordavam assuntos da África lusófona pese embora haver desde a década de 90 umas poucas plataformas de serviço às comunidades (destaco o Notícias Lusófonas criado em 1997) que funcionavam tipo jornais digitais, disponibilizando conteúdos informativos bem como fóruns de discussão para as diversas comunidades lusófonas e, onde por exemplo, vários guineenses e amigos da Guiné-Bissau compartilharam notícias e vivências do conflito militar de 1998/9.

Em 2003 havia um jornal digital, o Africanidade, que tinha algo mais e melhor que a maioria dos espaços virtuais da lusofonia e que serviu de “montra” para a divulgação dos trabalhos do Projecto CONTRIBUTO através do seu fórum de discussão. De referir que da equipa fundadora do Africanidade faziam parte 2 jovens da Guiné-Bissau: Watna Almeida e Karan Dabó, bem como outros doutras nacionalidades/origens. Teve sucesso como órgão de comunicação social que era e acabou por ser vendido, redundando num posterior fracasso e desaparecimento.

Com o lançamento em Maio de 2004 do site do Projecto Guiné-Bissau: CONTRIBUTO lançou-se igualmente a semente que iria promover a proliferação de espaços virtuais sobre a Guiné-Bissau, para lá da visão, missão e objectivos definidos e estabelecidos estrategicamente pelo fundador do CONTRIBUTO.

Em 2003 o Google adquiriu o Blogger a maior plataforma gratuita para criação de blogs o que permitiu que milhões de usuários de contas do Google aproveitassem a onda de euforia da nova moda que eram os blogs, para criarem seus espaços pessoais para os fins a que se propunham.

Foi dessa forma também que surgiram os primeiros blogs focados na Guiné-Bissau, contudo, exceptuando os jornalistas Umaro Djau e António Aly Silva, que sabiam concretamente o que queriam com a criação dos seus blogs, a maioria que surgiu muito depois navegava na onda da euforia de que, se fulano tem um site ou um blog eu também posso ter.

O certo é que a Guiné-Bissau e os guineenses beneficiaram e de que maneira com o surgimento das plataformas virtuais, sobretudo no preenchimento de múltiplas lacunas de obrigação do Estado para com os cidadãos, por exemplo, no âmbito da informação e divulgação de assuntos de interesse público.

Basta vermos que nos dias de hoje, em finais de 2015 há blogs e sites que noticiam, informam, divulgam e promovem tudo e mais alguma coisa como se estivessem ao serviço das instituições do Estado.

O site www.didinho.org do Projecto Guiné-Bissau CONTRIBUTO foi idealizado numa perspectiva funcional de usufruir de todas as particularidades de um site mas também, das funcionalidades e características de suporte de um blog. É que apesar do Projecto CONTRIBUTO ter uma orientação pessoal, não é uma plataforma de cariz pessoal e isso é evidente na vertente comunitária das suas diversas secções temáticas e na extensa lista dos seus colaboradores.

Um site dinâmico, com actualizações frequentes, com várias ferramentas de interacção entre colunistas e leitores que manifesta a razão da criação do Projecto e declara a sua visão, a sua missão e os seus objectivos.

Os blogs e os sites ajudaram a resgatar a memória colectiva, mas também, a levar a Guiné-Bissau e as suas realidades ao Mundo através da Internet.

Através de blogs e sites guineenses foram desenvolvidos trabalhos sérios, sustentados e consistentes tendo em conta a participação cidadã na mudança necessária para acabar com as ditaduras, as guerras e as instabilidades, por um lado e, criar condições para a afirmação da democracia, da paz, da estabilidade e o desenvolvimento, por outro.

Diria através da minha experiência e vivência que os blogs e sites sobre a Guiné-Bissau (importa referir que não só cidadãos guineenses criaram essas plataformas, mas também vários amigos da Guiné-Bissau de várias nacionalidades) funcionaram bem e numa perspectiva de todos e cada qual à sua maneira, servirem a Guiné-Bissau e os guineenses, até que os “donos” do poder começaram a ver a Força que essas plataformas constituíam, tornando-se (na maneira de ver deles) numa ameaça para os seus fins de se servirem da Guiné-Bissau ao invés de a servirem.

Em 2005 com o regresso do General João Bernardo Vieira ao poder na Guiné-Bissau começou a era de ameaças de morte aos administradores e aos colunistas de blogs e sites, complementada com uma estratégia de denigração de imagem dos mesmos, com a cumplicidade de anónimos e personalidades conhecidas da praça de Bissau que aproveitavam os mesmos espaços virtuais existentes para esses fins.

Os “donos” do poder tinham dado conta que a sociedade guineense estava a despertar por via da sensibilização, da consciencialização e da participação cidadã através das plataformas virtuais.

Digamos que de 2005 a 2014 os principais blogs e sites focados na Guiné-Bissau foram encarados por diversos actores, entre políticos, governantes e militares como sendo mecanismos capazes de causar agitação social no país dada a forte vertente de intervenção social e política que os caracterizava.

Por via disso, das várias estratégias elaboradas para destruir as plataformas virtuais inconvenientes para esses actores do poder, sem resultados concretos, houve uma estratégia que conseguiu ainda assim, alguns resultados: a estratégia da intriga que dividiu e fragmentou blogs e sites e, consequentemente, aproximou editores de blogs e sites aos “donos” do poder, resultando dessa aproximação, um “contrato” de prestação de serviços com contrapartidas várias.

Foi assim que se sucederam várias disputas de protagonismo promovidas por intrigas encomendadas, para desgastar e desacreditar este ou aquele, a fim de sair de cena com a sua plataforma virtual.

Assistimos a situações de autêntica venda de consciência de proprietários de alguns blogs que ora estavam a favor deste e contra aquele e vice-versa.

Novos blogs e sites foram criados, promovidos e sustentados financeiramente, pelos “donos” do poder para a defesa dos seus interesses e como arma de arremesso contra os designados “inimigos da Guiné-Bissau”.

Mesmo chegados à reposição da normalidade constitucional com as eleições presidenciais e legislativas de 2014 continuamos a assistir a um aproveitamento dos blogs pelas instâncias do poder nas suas disputas de protagonismo.

Ei-los como forças beligerantes de um exército fraccionado. Uns e outros com fulano ou beltrano como Comandante em Chefe…

Transformaram-se naquilo que se costuma dizer “carne para canhão”.

Os blogs deixaram de ser coerentes e de estar ao serviço da Guiné-Bissau e dos guineenses, nos moldes em que “nasceram”; os seus propósitos passaram a ser apenas a satisfação dos interesses dos seus proprietários em função das solicitações que recebem deste ou daquele, para este ou aquele fim. Chegam mesmo a promover os piores cenários para a Guiné-Bissau, porque há quem lhes orienta nesse sentido a troco de contrapartidas várias.

Volvidos 12 anos da era virtual continuada de blogs e sites focados na Guiné-Bissau, os poucos sobreviventes não precisam mais de se darem a conhecer, pois o tempo encarregou-se de os identificar, definir e caracterizar.

Ainda assim, apesar das evidências do descrédito e da perda de influência dos blogs junto das comunidades guineenses, o certo é que o país continua a ter poucas estruturas de informação e comunicação capazes de disponibilizar de forma rápida notícias e todo o tipo de informações de interesse público tal como os blogs conseguem disponibilizar, ainda que de forma dúbia e muitas vezes, de forma irresponsável. Por isso e dada a estagnação generalizada do país, estou em crer que os blogs e sites vão ressuscitando ainda por largos anos na Guiné-Bissau.

As redes sociais, sobretudo a utilização do Facebook por milhares de guineenses em todo o mundo também tem contribuído imenso para a queda de popularidade e influência dos blogs e dos sites. O Facebook consegue ser mais versátil, mais acessível à edição e publicação de textos/mensagens; mais rápido na partilha de qualquer assunto do que os blogs e sites, permitindo uma maior e melhor interactividade entre os usuários.

Nos dias que correm também assistimos ao facto de blogs e jornais guineenses online passarem dias e dias sem assuntos da Guiné-Bissau para reproduzirem nos seus espaços, recorrendo frequentemente a Agências de Notícias estrangeiras para a obtenção de notícias, inclusive sobre a própria Guiné-Bissau, para partilhar.

Sendo um dos pioneiros da era dos blogs e sites focados na Guiné-Bissau, sinto orgulho por tudo de positivo que conseguimos realizar e continuaremos a realizar, em prol da Guiné-Bissau e dos guineenses ,mas também sinto tristeza pela via que alguns proprietários de blogs decidiram seguir, em prol dos seus interesses pessoais. Não quero com isto dizer que não pudessem usar suas plataformas para actividades lucrativas de âmbito empresarial/corporativo. Apenas acho que não deviam e não devem continuar a usar os seus espaços para viverem à custa da Guiné-Bissau e dos guineenses, muitas vezes, promovendo intrigas e instabilidade, pondo em causa a paz e a unidade nacional.

Didinho 03.12.2015

Este trabalho foi proposto pela Rádio Jovem

Projecto Guiné-Bissau: CONTRIBUTO – UMA RECAPITULAÇÃO NECESSÁRIA

O meu regresso a Bissau vinte e sete anos depois (1)

Os guineenses devem, definitivamente, deixar de lado todas as disputas pelo poder, motivadas por ambições desmedidas com base em interesses pessoais ou de grupos, e juntar esforços, vontades, sensibilidades, capacidades, conhecimentos, experiências, determinação, honestidade e humildade, se de facto, ainda querem resgatar um país em ruínas, quiçá, à beira da falência administrativa do Estado, de tão abandonado e maltratado que tem sido, sobretudo, a partir do golpe de Estado de 14 de Novembro de 1980 aos dias de hoje.

Do que vi por estes dias em Bissau, confesso que não estava preparado para encarar e encaixar o que se diz por todo o lado na Guiné-Bissau, ser a “nossa” realidade…

Sei que estão todos ansiosos e expectantes para saberem como foi um regresso vinte e sete anos depois!

A Comunicação Social guineense e outras, não se interessaram por um regresso anunciado de um filho da terra que, humildade à parte, tem feito alguma coisa pela Guiné-Bissau, e que estando fora do país há 34 anos, a última vez que visitou a Guiné-Bissau foi há 27 anos…

Estou a trabalhar, continuarei a trabalhar nos próximos dias ou semanas sobre a minha visita à Guiné-Bissau e quando tiver tudo pronto, terão oportunidade de conhecer esse trabalho que visa reunir registos de memórias presenciais e vivenciais, de 3 períodos históricos (por mim vivenciados) que passam a ser comparativos, numa perspectiva de transmissão de um legado, também histórico, capaz de demonstrar, dar a conhecer e educar, sobretudo os nossos jovens nascidos depois do golpe de Estado de 14 de Novembro de 1980 no sentido de que, a NOSSA REALIDADE; a REALIDADE GUINEENSE, não se identifica, nem de perto, nem de longe, com o que hoje se “apresenta” como sendo o nosso país; a nossa cultura e a nossa realidade, isto, porque alguns assim querem que passe a ser.

Temos obrigação, enquanto guineenses que viveram o período colonial; o pós independência e o primeiro golpe de Estado na Guiné-Bissau, ou seja, aqueles que vivenciaram três períodos de referência marcante, por isso, de necessidade comparativa, de fazermos a nossa parte, de partilharmos as nossas memórias e deixar um manual de leitura, de consulta e pesquisa, aos nossos jovens e a todos quantos, nos dias de hoje, aprenderam a conhecer a Guiné-Bissau de uma certa vivência de luxo, no lixo…quando também já houve uma Guiné-Bissau de pobreza, mas na dignidade…!

Didinho 24.09.2015

Nota: Viajei para Bissau a 16 de Setembro e regressei a Portugal a 24 de Setembro.

Foto de Fernando Casimiro.
Foto de Fernando Casimiro.
Foto de Fernando Casimiro.
Foto de Fernando Casimiro.

 

Positivismo

É deveras Positivo, a meu ver, quando o Presidente da República da Guiné-Bissau afirma, de forma convicta, que “criticar não é só um direito, mas também, um dever dos cidadãos…” Na verdade, ainda que haja espaço para múltiplas interpretações, em função do actual contexto político da Guiné-Bissau, importa considerarmos a vertente Positiva da afirmação do primeiro magistrado da Nação.

Preocupado estaria se, ao invés deste posicionamento de Sua Exa. o Sr. Presidente da República em defesa dos Direitos Fundamentais do Cidadão, houvesse, da sua parte, uma negação explícita ou implícita, dos Direitos e dos Deveres dos Cidadãos!

Estamos num Processo, por isso, sujeitos a erros, a disputas, a vaidades, mas comprometidos com a causa nacional, com o interesse nacional, o que me faz acreditar, como disse uma vez, que aqueles que divergem, também são os que estão mais próximos das melhores soluções perante a necessidade de transformar a divergência em consenso… neste caso, a bem do nosso país e do nosso povo!

Vamos ajudar os nossos políticos e governantes!

Temos que ajudá-los para que sirvam de facto os anseios e as necessidades do povo, através do dirigismo nacional que lhes está entregue. É nessa perspectiva que vejo positivismo no posicionamento humilde e sincero do Sr. Presidente da República, para a necessidade dos cidadãos “terem coragem de dizer a verdade”, quando apela aos anciãos guineenses, numa extensão a todo o povo guineense, para o exercício dos seus Direitos Fundamentais.

Claro está que todas as demais interpretações divergentes da minha também devem ser respeitadas e consideradas em igualdade de circunstância, como promotoras do tal exercício dos Direitos Fundamentais!

Positiva e construtivamente.

Didinho 24.07.2015
————————————————————————————————-

Mário Vaz diz que criticar é um direito e também um dever

José Mário Vaz, o Presidente guineense que, ao contrário de Angola, foi nominalmente eleito, insurgiu-se contra o que diz ser “passividade” dos anciãos perante “o mau rumo das coisas” no país, com o qual afirma não pactuar.
“Não contem comigo para isso, não fui eleito para isso. Vim aqui para ajudar a mudar o país, não para ficar calado”, observou José Mário Vaz ao dirigir-se aos anciãos, régulos e chefes religiosos numa reunião realizada na quarta-feira no palácio presidencial.
Nos últimos tempos, várias vozes têm-se insurgido contra os desentendimentos entre o Presidente, o primeiro-ministro e o presidente do Parlamento, sendo que os próprios não negam a existência de crispações.
Falando em crioulo, José Mário Vaz pediu aos anciãos que tenham a coragem de “falar verdade” perante as situações que têm ocorrido no país, para que possam ser corrigidas.
O chefe de Estado afirmou que as palavras dos anciãos “são enganadoras” quando aplaudem o trabalho realizado pelo Presidente da República, pedindo que sejam críticos também em relação a ele próprio.
“Vejo que não são capazes de pôr o dedo na ferida. Chegam aqui com conversa do tipo: o Presidente é que tem razão”, observou José Mário Vaz.
“Não estou nada contente com o meu trabalho como Presidente. Estou aqui há um ano, mas penso que podia ter feito mais”, acrescentou, apontando o dedo acusador aos anciãos que, diz, pretendem “perpetuar a canseira” no país com a sua atitude.
“Vocês os anciãos deste país querem deixar esta terra na canseira em que se encontra para que esta situação seja herdada pelos vossos filhos e netos”, referiu.
Negado Fernando, Juiz do Povo (uma espécie de juiz popular) reconheceu que o “país não anda bem”, mas também acha que é por esse motivo que José Mário Vaz não tem tido tempo para realizar visitas ao interior.
“Desde que elegemos o Presidente, não o vimos nas regiões, porque não tem tido tempo com problemas da governação. Sabemos que o Presidente não tem tempo”, notou Negado Fernando.
José Mário Vaz prometeu realizar ainda no decurso deste ano duas visitas às regiões.
As relações entre o chefe de Estado e o líder do Governo estão longe de ser as melhores.
A 3 de Julho, José Mário Vaz teve que fazer um discurso à nação na Assembleia Nacional Popular (ANP) para afastar os rumores de que estaria a planear demitir o Executivo liderado por Domingos Simões Pereira.
No entanto, no mesmo discurso, disse que não abdica do papel de árbitro e fez alusão a uma proposta de remodelação governamental que já terá sido tema de conversa com o primeiro-ministro.
Já antes, num encontro com veteranos do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), partido que suporta o Governo e elegeu Vaz, o chefe de Estado disse “estar na posse de dossiês que põem em causa a autoridade moral de alguns membros do Governo”, sendo esse “o principal motivo de dificuldades”.
Domingos Simões Pereira ainda não se pronunciou sobre uma eventual remodelação governamental.
Os desentendimentos estão a deixar inquietos os diplomatas em Bissau e a generalidade da comunidade internacional que voltou a financiar o país depois do regresso à norma constitucional após as eleições de 2014.
A 25 de Março, as novas autoridades realizaram um encontro de doadores em Bruxelas que permitiu mobilizar mais de mil milhões de euros de intenções de apoio internacional.
Fonte: http://jornalf8.net/2015/criticar-e-um-direito-e-um-dever/

Pensar pelas próprias cabeças

Enquanto os guineenses não forem capazes de “pensar pelas próprias cabeças”, como sugeria Amilcar Cabral, a manipulação de consciência e a dinâmica demagógica, dos poderes do Poder, influenciarão negativamente a dinâmica social da nossa Sociedade, através de obstáculos em forma de ferramentas estrategicamente projectadas, concebidas e produzidas no intuito de se continuar a dividir o nosso povo e, consequentemente, contribuir para a estagnação ou o retrocesso do nosso país.

Creio que é chegado o momento de questionarmos, que Modelo de Educação precisamos de projectar, trabalhar/desenvolver e implementar no nosso país, em função da nossa realidade concreta.

Continuo a dizer que precisamos de privilegiar a Educação para a Cidadania se, de facto, queremos (ou quisermos) ajudar a mudar positivamente a forma de pensar e de agir dos nossos concidadãos, sem demagogia, sem manipulação, mas criando condições nos múltiplos formatos pedagógicos, de sensibilização, interacção e participação cidadã, capazes de formar e informar o Cidadão, recurso primeiro para a projecção de todo e qualquer programa de desenvolvimento.

A FORMAÇÃO CÍVICA promove a Educação para a Cidadania, que, por sua vez, capacita cidadãos para os seus Direitos e Deveres, com base num COMPROMISSO para com o País!

Felizmente, temos muitos quadros com formação Superior em diversas áreas, mas infelizmente, são poucos os cidadãos que têm, de facto, FORMAÇÃO CÍVICA!
Didinho 22.07.2015

Convergência precisa-se!

Quem pensa a Guiné-Bissau e faz análises sobre a Guiné-Bissau, com visão, rigor, isenção e responsabilidade, muitas vezes deve reservar a sua visão mais aprofundada, para salvaguarda do seu compromisso para com o País, tendo em conta a defesa do Interesse Nacional.

Há situações que a nossa “visão” e percepção nos transmitem, mas não podemos simplesmente pegar nisso para explicar a uns e outros habituados a ler as nossas reflexões e análises, o que é que pode ou não acontecer; se vai ou não acontecer, tudo, tendo em conta hipóteses, possibilidades, sustentadas ou imaginárias.

Disse sempre e repito, que escrevo com responsabilidade!

Não esperem que venha a escrever sobre “alas” quer a nível dos Órgãos de Soberania, quer a nível do Partido vencedor das últimas eleições legislativas na Guiné-Bissau, o PAIGC para dessa forma promover a divisão do nosso povo. NÃO!

O meu desejo é que todos os actores políticos e da governação se entendam, dialogando, discutindo, divergindo e convergindo, sempre que necessário, em sede própria e em tempo oportuno.

Que suas divergências sejam saudáveis e permitam discussões construtivas, em benefício da Guiné-Bissau e do Povo Guineense.

Que qualquer situação de incompreensão de uma parte tenha como resposta compreensão e tolerância da outra parte, factores decisivos na prevenção de conflitos pessoais e institucionais.

Temos que ser capazes de nos enfrentar como Seres Humanos, ou seja, de forma civilizada, olhos nos olhos e conversar.

Tem que haver espaço para cada um dizer o pensa que não está bem, assim como é fundamental haver respeito, consideração e humildade para se ouvir o que o outro também tem a dizer sobre o que dificulta a relação pessoal ou institucional que divide pessoas e instituições sobre a causa comum, a nossa Guiné-Bissau.

Por que continuamos a digladiar, quando temos tudo para nos afirmar como País e Povo?

A quem servem tantas disputas de protagonismo; para quê tantas manifestações gratuitas de “amor à Pátria”, quando estamos em conspiração permanente, por desconfiança até da nossa própria sombra…?!

Quarenta e dois anos de independência não serviram de lição para chegarmos à conclusão de que, só unidos podemos viver em Paz e Harmonia?!

Quarenta e dois anos de independência não serviram de lição para concluirmos que o País só pode avançar com a participação de todos, sem protagonismos de poder ou da sua reivindicação…para que possamos obter/conquistar o almejado bem-estar colectivo?!

De que adianta, meus irmãos, tanta “guerra” pelo Poder?!

O que querem para lá do Poder institucional e dos seus subsequentes poderes derivantes que já têm…?!

Como podem pôr as vossas divergências político-partidárias acima do Interesse Nacional, se o Partido de todos os Guineenses é a Guiné-Bissau?!

Haja contenção e tolerância, procuremos sempre a aproximação e o diálogo, para conseguirmos reganhar a suposta confiança perdida.

A Guiné-Bissau é de todos nós, por isso, não podemos nem devemos comprometer o Bem-Comum, sejam quais forem as nossas razões pessoais, que jamais podem sobrepor-se às razões e motivações colectivas!

Vamos continuar a trabalhar, de mãos dadas, juntando cabeças, repartindo esforços e vontades porque A Guiné-Bissau é a soma dos interesses de todos os guineenses E NÃO DOS INTERESSES DE UM GRUPO OU DE GRUPOS DE GUINEENSES! Didinho 23.06.2015 ————————————————————————————————————— Não aceitemos mais, enquanto guineenses, que uns e outros, a bem dos seus interesses, nos dividam, enfraquecendo-nos; nos intriguem virando-nos uns contra os outros, quando o que está em causa é o interesse nacional, quiçá, a soma dos interesses de todos os guineenses e não apenas, de um grupo ou grupos de guineenses! A Guiné apenas precisa do compromisso dos seus filhos para que tudo o “resto” seja uma realidade! Didinho 10.04.2014

Obrigado irmão e amigo Fernando Carvalho!

HOMENAGEMAFERNANDOCASIMIRO1

O meu irmão Fernando Carvalho, posso dizê-lo com todo o à vontade, com toda a confiança, não passa um dia, desde há anos, sem me contactar, para saber como estou, bem assim, a minha família.

Irmãos ou familiares não são exclusivos do grau de consanguinidade!

Fernando Carvalho é um veterano da música moderna guineense, radicado em Portugal há mais de três décadas, onde se formou em Economia, tendo optado por se estabelecer na região do Algarve, concretamente em Loulé, onde lecciona Economia.

Em 2010 propôs-me colaborar com ele na preparação do seu 13º álbum, intitulado “Nha Laide”. Foi uma experiência extraordinária, que incluiu 2 músicas com letras da minha autoria.

Em Agosto de 2011 promoveu-me um concerto de homenagem em Quarteira – Algarve.

Na altura, alguns mesquinhos chegaram a questionar-lhe se estava a preparar o seu irmão Didinho para alguma candidatura presidencial na Guiné-Bissau…

Fernando Carvalho foi confrontado ao longo dos últimos 4/5 anos com situações absurdas, por ser meu amigo e irmão, ao ponto de muitos dos seus amigos de longa data deixarem de lhe falar, simplesmente, por ser meu amigo e irmão, ou um guineense que valoriza qualquer outro seu compatriota, independentemente das diferenças na forma de pensar.

O Economista, professor, patriota, músico e chefe de família por excelência, resolveu lançar mais um CD, que será o seu 14º e que estará disponível no mercado, entre finais de Setembro, princípios ou meados de Outubro deste ano.

Uma vez mais Fernando Carvalho decidiu homenagear-me.

Os trabalhos de gravação foram efectuados com sucesso a semana passada num Estúdio na Amadora, e tive pena de não ter podido comparecer, porque tinha a minha parte interventiva directa na interpretação de uma música da qual somos co-autores.

Ao final da tarde do dia da gravação telefonei ao meu irmão Fernando Carvalho, dando-lhe conta de não ser possível estar presente…

Vou-me preparando para o lançamento do CD caso esteja em Portugal na altura, para cantar a nosso belíssima música e deixar então o meu registo sonoro.

Claro está que ainda faltam os “finalmentes” mas posso garantir desde já que este 14º CD do Fernando Carvalho será um sucesso absoluto, com 12 músicas bem ritmadas, bem conseguidas numa abrangência a princípios e valores que confinam no AMOR sob todas as perspectivas possíveis e imaginárias…

Obrigado irmão Fernando Carvalho “Nando Kulum”, por tudo quanto sempre fizeste pela nossa Guiné-Bissau e pelos nossos irmãos guineenses, sem esperares receber nada em troca e, verdade seja dita, já merecias…!

Obrigado irmão Fernando Carvalho pela amizade e fraternidade, quiçá, por tudo quanto tens feito para o meu reconhecimento e valorização, sempre de forma firme e determinada, independentemente de todas as incompreensões…

Obrigado irmão Fernando Carvalho pela solidariedade permanente e por tudo quanto me deste a aprender com a tua Hombridade e Simplicidade ao longo dos anos! Didinho 20.07.2015

Sou um homem simples, que vive de coisas simples, num universo de pessoas e de coisas simples! Dou graças a Deus, aos meus pais, já falecidos, à minha família, aos meus familiares e aos bons amigos, por tudo quanto sou hoje (não por tudo quanto tenho, pois nada tenho, que não uma missão a cumprir neste mundo, enquanto filho de Deus!). Didinho 15.08.2013

A vida só tem sentido se, para além de nós, outros também puderem viver…Didinho

Foto0250

Nós e a corrupção

NÓS E A CORRUPÇÃO

Quando uns e outros perceberem que a corrupção é um crime como todos os outros (e que tal como todos os outros crimes não se resolve com um decreto e que, por ser um desvio comportamental do ser humano, é de uma abordagem extensiva no tempo e no espaço, limitada apenas à existência de vida humana no universo) aí, saberemos todos enquadrar o fenómeno da corrupção como um comportamento desviante natural, mas que deve ser repudiado e referenciado, sempre, como CRIME!

Quando alguém afirma que somos todos corruptos, esse alguém está, antes de mais, a reconhecer, a nível pessoal e com toda a certeza, que é corrupto!

O mesmo não se pode aplicar numa lógica comparativa abrangente do tipo, se eu sou, os outros também são, pois que, a corrupção, sendo um comportamento desviante do ser humano, não o é numa perspectiva colectiva, mas sim, individual! Didinho 10.07.2015